Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) prestou depoimento à Polícia Federal
Reprodução/Flickr
Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) prestou depoimento à Polícia Federal

O presidente Jair Bolsonaro prestou depoimento ontem à noite à Polícia Federal e negou ter interferido politicamente na corporação. Bolsonaro alegou que demitiu o diretor-geral Maurício Valeixo por falta de interlocução com ele e que a troca de comando da PF não foi por interferência política. O depoimento ocorreu no Palácio do Planalto.

O inquérito tramita no Supremo Tribunal Federal (STF), sob a relatoria do ministro Alexandre de Moraes, e foi aberto em abril de 2020 após acusações feitas pelo ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro.

Leia Também

A abertura do inquérito foi autorizada em abril de 2020 pelo ministro Celso de Mello. O magistrado entendeu que os crimes supostamente praticados por Bolsonaro, conforme narrado por Moro, podem ser conexos ao exercício do mandato presidencial. O então relator também entendeu que o depoimento de Bolsonaro deveria ser realizado presencialmente.

No início de outubro, o ministro Alexandre de Moraes prorrogou o inquérito por mais 90 dias. A ampliação do prazo, que ocorreu pela quarta vez, permitiu a Moraes continuar as diligências do caso.

No último dia 7, o ministro determinou que a Polícia Federal tomasse o depoimento do presidente em um prazo de até 30 dias. A ordem de Moraes foi proferida um dia depois que a defesa do presidente protocolou um pedido ao Supremo concordando com prestar depoimento pessoalmente. A Corte julgaria se Bolsonaro deveria ser ouvido por escrito ou pessoalmente, mas a Advocacia-Geral da União (AGU) se antecipou ao julgamento e apresentou o pedido horas antes.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários