2 milhões em bitcoins apreendidos pela polícia do Rio
Reprodução
2 milhões em bitcoins apreendidos pela polícia do Rio

Nas buscas e apreensões em casas e empresas dos 23 alvos da milícia da Operação Blood Money, desencadeada na manhã desta quinta-feira, a Polícia Civil encontrou cerca de R$ 2 milhões em investimentos em bitcoins. Segundo a polícia, o valor estava com o empresário Luiz Carlos dos Reis Príncipe, que é apontado como uma das pessoas que atuam na lavagem de dinheiro de milicianos de Rio das Pedras e da Muzema, na Zona Oeste do Rio.

O tipo de investimento chamou a atenção dos agentes, sendo uma evidência de que os paramilitares já estariam aplicando em criptomoedas na tentativa de evitar o rastreio pelos órgãos de controle fiscal dos valores adquiridos a partir de negócios ilícitos.

A Justiça autorizou também a busca e apreensão em oito empresas que seriam usadas pelo grupo. As investigações da 18ª DP (Praça da Bandeira) comprovaram, por meio de Relatórios de Inteligência Financeira (Rifs) do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e da Junta Comercial (Jucerja), que os sócios da LP Empreendimentos e Construções são "laranjas", ou seja, prepostos da milícia. O verdadeiro dono, de acordo com o relatório da Polícia Civil, é Luiz Príncipe, que foi preso na ação desta quinta-feira. Até o momento, 15 das 23 pessoas com mandados de prisão expedidos pela Justiça foram detidas.

As investigações indicaram que a quadrilha ocultava os valores apurados em negócios ilícitos se utilizando de “laranjas” à frente de empresas, algumas de “fachada”, sobretudo no ramo da construção. Dois dos envolvidos, o casal Cintia Bernardo da Silva e Rafael Gomes da Costa, segundo o relatório, foram também alvo das investigações sobre o desabamento de dois prédios na Muzema, que causaram a morte de 24 pessoas em abril de 2019.

Cintia e Rafael movimentaram, entre créditos e débitos, significativa quantia de dinheiro com um dos principais alvos da operação de hoje, Laerte Silva de Lima, que já havia sido denunciado e preso na Intocáveis I, em janeiro de 2019. As provas colhidas pela polícia revelam que a milícia contava com um sistema que misturava dinheiro lícito com ilícito em sucessivas transações financeiras em técnica conhecida como “mescla”.

Relatório de Inteligência Financeira (RIF) do Coaf, obtido pelo delegado Moysés Santana, titular da 18ª DP, responsável pelo caso, revela que houve “estratosféricas movimentações financeiras” pelos investigados. Laerte, por exemplo, movimentou R$ 898.749,00, entre 1º de outubro de 2018 e 31 de março de 2019, ou seja, em quase seis meses.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários