Parlamentares e acadêmicos afirmam que manifestações podem colocar
Reprodução
Parlamentares e acadêmicos afirmam que manifestações podem colocar "em risco a democracia no Brasil"

No dia anterior as manifestações de 7 de setembro , um grupo de ex-presidentes, ex-parlamentares e premiês de 26 países assinaram e divulgaram uma carta em que alertam para uma possível "insurreição" nos atos bolsonaristas. De acordo com o grupo, a rebeldia do grupo pode colocar "em risco a democracia no Brasil". As informações são da jornalista Mônica Bergamo.

"O presidente Jair Bolsonaro e seus aliados —incluindo grupos supremacistas, polícia militar e servidores públicos em todos os níveis do governo— estão preparando uma marcha nacional contra a Suprema Corte e o Congresso em 7 de setembro, alimentando temores de um golpe na terceira maior democracia do mundo", destaca parte do manuscrito.

O documento possui mais de 150 signatários e estão entre eles os ex-presidentes do Paraguai, Fernando Lugo; da Colômbia, Ernesto Samper; do Equador, Rafael Correa; e da Espanha, José Luis Rodríguez Zapatero. O vice-presidente do Parlamento do Mercosul, Oscar Laborde, também integra o grupo.

"Estamos seriamente preocupados com a ameaça iminente às instituições democráticas do Brasil —e estamos vigilantes para defendê-las antes e depois do dia 7 de setembro", afirmam os participantes.


Entre os motivos de preocupação, os políticos destacam as ameaças golpistas realizadas por Bolsonaro nas recentes declarações, como a condição de apenas haver eleições em 2022 caso o voto impresso seja aprovado pelo Congresso - a proposta foi rejeitada na Comissão Especial e no Plenário.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários