Sérgio Reis
Antonio Cruz/ Agência Brasil
Sérgio Reis

A Polícia Federal (PF) cumpriu nesta sexta-feira 29 mandados de busca e apreensão em endereços de deputado, cantor, dono de canal no YouTube, jornalista, presidente de associação que reúne produtores de soja, entre outros. As ações foram autorizadas pelo ministro Alexandre de Moraes, relator do inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) que apura manifestações contra democracia .

A Procuradoria-Geral da República (PGR) sustenta que postagens e vídeos publicados nas redes sociais nos últimos dias demonstram que os alvos da operação têm chamado a população para praticar atos criminosos e violentos às vésperas do feriado de Sete de Setembro, durante uma suposta manifestação e greve de “caminhoneiros”.

"O objetivo do levante seria forçar o governo e o Exército a ‘tomar uma posição’ em uma mobilização em Brasília em prol do voto impresso, proposta que foi, recentemente, derrotada na Câmara dos Deputados, bem como a destituição dos ministros do Supremo Tribunal Federal. Para tanto, pretendem dar um ‘ultimato’ no presidente do Senado Federal, invadir o prédio do Supremo Tribunal Federal, ‘quebrar tudo’ e retirar os magistrados dos respectivos cargos ‘na marra’”, diz trecho do documento da PGR.

Saiba quem são:

Sérgio Reis: cantor, nome artístico de Sérgio Bavini, ex-deputado federal. Declarou convocar uma greve nacional dos caminhoneiros contra o ministros do STF e disse que, se em 30 dias o Senado não os destituísse de seus cargos, iriam "invadir, quebrar tudo e tirar os caras na marra”.

Otoni de Paula: deputado (PSC-RJ). Seria integrante do núcleo político. Postou mensagens em tom de ameaças ao Senado Federal e ao Supremo Tribunal Federal (STF)

Marcos Antônio Pereira Gomes: dono do canal no Youtube "Zé Trovão a voz das estradas". Em vídeos no Youtube e postagens nas redes sociais, chamou a população a ir a Brasília e exigiu a "exoneração dos 11 ministros do STF".

Eduardo Oliveira Araújo: cantor que integrou a Jovem Guarda, aparece em vídeo em que Sérgio Reis incentiva a mobilização

Você viu?

Wellington Macedo de Souza: jornalista, coordenador da "Marcha da Família", divulgou vídeo e convidou a popuação para o ato em Brasília.

Antônio Galvan: presidente da Aprosoja Brasil (Associação Brasileira dos Produtores de Soja), aparece em vídeo na sede da entidade, em Brasília, com Sérgio Reis discursando pela mobilização, e, segundo a PGR, possivelmente patrocinou o movimento.

Alexandre Urbano Raitz Petersen: presidente de uma associação civil de "defesa de direitos sociais", ele recebeu, segundo a PGR, doações por meio de transferências bancárias para financiar o movimento.

Turíbio Torres: suspeito de pertencer ao núcleo operacional, com papel ativo na montagem das caravanas, na intermediação de contatos políticos e na logística de acampamento.

Juliano da Silva Martins: também seria integrante do núcleo operacional e, da mesma forma que Turíbio, com papel ativo na organização.

Bruno Henrique Semczeszm: articulista do site "Brasil Livre" e, de acordo com a PGR, simpatizante da Sociedade de Defesa da Tradição, Família e Propriedade e responsável pela tradução de uma entrevista em alemão com a deputada de extrema direita da Alemanha Beatrix von Storch.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários