Comissão parlamentar de inquérito suspeita da atuação de Túlio Silveira na negociação da Covaxin junto ao Ministério da Saúde
Reprodução
Comissão parlamentar de inquérito suspeita da atuação de Túlio Silveira na negociação da Covaxin junto ao Ministério da Saúde

A CPI da Covid volta a se reunir nesta quarta-feira para colher o depoimento de Túlio Silveira, advogado da Precisa Medicamentos, empresa que representava o laboratório Bharat Biotech e intermediou a venda da vacina Covaxin para o Ministério da Saúde . A comissão apura indícios de que Silveira tinha acesso a informações privilegiadas na pasta e participou da suposta falsificação de documentos por parte da empresa.

Na quinta-feira, a CPI deverá receber o personagem mais esperado pelo colegiado: Francisco Maximiano, dono da Precisa.

"Essa é uma das pontas soltas para concluirmos a investigação da CPI: aprofundar as investigações e os dados sobre a Precisa", disse o vice-presidente da CPI, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), na terça-feira.

Leia mais: Depoimento de auditor do TCU leva CPI a defender enquadramento de Bolsonaro por falsificação de documento e crime de responsabilidade

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou Túlio Silveira a ficar em silêncio quando for perguntado sobre fatos que possam incriminá-lo. Quanto ao restante, está obrigado a dizer a verdade. Rosa também negou o pedido da defesa para que ele pudesse faltar à sessão.

Você viu?

A Covaxin foi desenvolvida pelo laboratório indiano Bharat Biotech, que era representado no Brasil pela Precisa. Foi a vacina mais cara a ter contrato firmado com o Ministério da Saúde, ao custo de US$ 15 a dose. O negócio, porém, acabou sendo suspenso após as suspeitas de irregularidade terem entrado no radar da CPI.

Em julho, o laboratório indiano também anunciou o rompimento com a Precisa, alegando que dois documentos entregues pela empresa brasileira ao Ministério da Saúde continham dados falsos e suspeitos. Um deles era a versão em português da carta de autorização para a Precisa atuar em nome da Bharat. A empresa brasileira nega ter falsificado o documento e atribui sua elaboração à Envixia Pharmaceuticals, outra empresa parceira da Bharat e com sede nos Emirados Árabes Unidos.

Veja também:  PGR impediu análise de prisão de Roberto Jefferson pela Justiça Federal no ano passado

O requerimento de convocação de Silveira foi apresentado pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e, em 30 de junho, aprovado pela CPI. Em 10 de junho, a CPI já tinha determinado a quebra dos sigilos telefônico e telemático de Silveira. O requerimento também foi apresentado por Alessandro Vieira.


"Faz-se necessária a transferência dos sigilos do Sr. Túlio Silveira, representante da Precisa Medicamentos, para que seja possível avaliar os exatos termos das tratativas com o Ministério da Saúde, apurando-se eventual beneficiamento ilícito", justificou o senador.

A seccional do Distrito Federal da Ordem os Advogados do Brasil (OAB) chegou a acionar o STF para tentar suspender a quebra de sigilo, mas a ministra Rosa Weber negou o pedido. Na decisão, ela chamou de "grave suspeita" os indícios de que a compra da Covaxin possa ter envolvido favorecimento ou obtenção de vantagens indevidas por agentes públicos e privados.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários