Atuação de Milton Ribeiro, titular da Educação desde julho de 2020, é criticada por falta de sentido de urgência
Catarina Chaves/Ministério da Educação
Atuação de Milton Ribeiro, titular da Educação desde julho de 2020, é criticada por falta de sentido de urgência

O ministro da Educação , Milton Ribeiro , afirmou em entrevista ao Sem Censura, da TV Brasil, que reitores das universidades federais não podem ser 'esquerdistas, nem lulistas'.

"Alguns optaram por visões de mundo socialistas. Não precisa ser bolsonarista. Mas não pode ser esquerdidas, nem lulista. Reitor tem que cuidar da educação e ponto final. E respeitar todos que pensam diferente. As universidades federais não podem se tornar comitê político, nem direita, muito menos de esquerda",  defendeu.

Ele afirmou que tem bom diálogo com cerca de 20 a 25 reitores, das 69 universidades federais, e contou que levou dez para conversar com o presidente Jair Bolsonaro .

"Se na lista tríplice já tem gente reclamando, imagina se a gente pudesse indicar diretamente. É uma expressão da vontade dos alunos e não me oponho a ela, nesse primeiro momento. Tem que saber conviver com isso. A autonomia universitária, vale lembrar, que não é soberania universitária. Alguns entendem assim", afirmou Ribeiro.

O ministro ainda defendeu a educação técnica e afirmou que os institutos federais, com cursos profissionalizantes de nível técnico, serão as "grandes vedetes do futuro".

"A universidade, na verdade, deveria ser para poucos nesse sentido de ser útil à sociedade. Tem muito engenheiro dirigindo Uber", afirma o ministro.

Pastor e ex-reitor da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Ribeiro afirmou que não conhecia estruturas do MEC como a rede federal de educação técnica e a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares. Ele disse ainda que pais de alunos da educação básica devem procurar o conselho tutelar se encontrarem conteúdo ideológico nos livros didáticos.

Você viu?

"Não posso fazer nada em relação a isso, mas os pais podem procurar autoridade pedagógica na cidade ou até mesmo o conselho tutelar", afirmou Ribeiro.

O ministro, titular da pasta há pouco mais de um ano, afirmou que vai priorizar escolas sem água encanada, esgoto tratado e energia elétrica antes de resolver a falta da conectividade.

"Tenho 3.440 escolas públicas sem água, 8.527 sem saneamento, 3.817 sem energia elétrica. Isso não quer dizer que vou virar as costas para a conectividade. Mas tenho que ter prioridades e essas são as minhas. O aluno da grande cidade tem condição bem melhor do que as 54 mil escolas rurais que tenho no Brasil. Além disso, nosso sinal de internet é muito rústico. Imagine o povo no meio rural. Vai por o tablet de enfeite na prateleira. Não vão ter o que fazer", afirmou o ministro.

O Brasil tem cerca de 138 mil escolas públicas. Milton Ribeiro afirmou ainda que entende que o Enem é muito democrático porque mais de 50% dos inscritos são gratuitas.

"O Enem é uma prova caríssima. Não é para todo mundo. Não dá. O Enem é uma prova caríssima. Queremos que ela seja uma prova bem feita. Mas tem muita gente que pela gratuidade nem comparece. E então a gente gasta com impressão, correção que já contratei, local de prova. Dinheiro público desperdiçado. Esses tiveram que pagar", afirmou.



    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários