Presidente Bolsonaro exibe uma caixa de cloroquina em uma das suas transmissões ao vivo
Reprodução YouTube
Presidente Bolsonaro exibe uma caixa de cloroquina em uma das suas transmissões ao vivo

Conversas registradas em e-mails entre a diplomacia brasileira e a chancelaria indiana, junto a farmacêuticas asiáticas, mostram o esforço desempenhado pelo  governo Bolsonaro em adquirir cloroquina - sem tratamento científico comprovado - para o combate da pandemia no Brasil. Alguns e-mails foram respondidos em 15 minutos, no período da noite e até em fins de semana. As informações são do jornal Estado de S.Paulo.

Em comparação com o processo de compra das vacinas, o Planalto levou dois meses para responder os contatos da Pfizer .

Ao total, foram 54 e-mails trocados entre Almeida Santos, segundo na hierarquia do posto diplomático, e Elias Antônio de Luna, ministro-conselheiro da Embaixada do Brasil na Índia. Nos registros evidencia-se a proatividade do governo Bolsonaro em solicitar a liberação dos medicamentos ou insumos para fabricção do manipulado no país.

"Estamos acompanhando esta questão com muita atenção", diz o diplomata brasileiro a uma empresa fabricante de hidroxicloroquina em 31 de março de 2020. Em seguida, foi solicitado o preenchimento de documentos para a aquisição da droga com "a maior urgência possível".


Em 11 de abril do ano passado, Santos chegou a afirmar que, "independentemente dessa generosa possibilidade que o governo da Índia está abrindo ao Brasil, nós reiteramos que continuamos a buscar as permissões de exportação para a matéria-prima de hidroxicloroquina que permitirá aos fabricantes brasileiros produzirem para si quantidades adicionais de comprimidos de hidroxicloroquina".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários