STF procura amenizar suspeita de venda de decisões judiciais por Toffoli
Reprodução
STF procura amenizar suspeita de venda de decisões judiciais por Toffoli

Membros do  Supremo Tribunal Federal (STF) procuram amenizar a solicitação da Polícia Federal para que um inquérito contra o ministro Dias Tóffoli seja instaurado a fim de investigar supostas vendas de decisões judiciais - tida como corrupção passiva.

Magistrados avaliam que as chances do pedido de inquérito - com base na colaboração premiada do ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral - prosperar são mínimas e que o mais provável seja que a solicitação seja arquivada.

Cabral alega que Dias Toffoli recebeu, enquanto era ministro do Tribunal Superior Eleitoral, o valor de R$ 4 milhões para favorecer dois prefeitos fluminenses.

Toffoli foi membro da corte de 2012 a 2016 e exerceu a função de presidente de maio de 2014 a maio de 2016. Segundo Sérgio, os pagamentos foram realizados em 2014 e 2015 por Hudson Braga, ex-secretário de Obras do Rio, que foram repassados para a esposa do ministro, a advogada Roberta Rangel.


O posicionamento da Suprema Corte baseia-se no pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) para que a delação premiada de Sérgio Cabral seja anulada. Internamente, não há a expectativa de que um precedente contra um membro do tribunal seja aberto. Magistrados acreditam que a ação foi realizada como forma de desgastar a corte.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários