Armas apreendidas pela Polícia Militar do Rio de Janeiro no Aeroporto do Galeão em 2018
Reprodução
Armas apreendidas pela Polícia Militar do Rio de Janeiro no Aeroporto do Galeão em 2018

Em sete dias, pelo menos 13 agências bancárias e uma instituição financeira foram atacadas em quatro estados pelo chamado ‘ novo cangaço ’. O caso mais recente aconteceu em Ubaíra (BA) na última sexta-feira (16), quando criminosos trocaram tiros com a polícia, mantiveram reféns e fugiram com o dinheiro roubado. 

O G1 consultou autoridades públicas e especialistas em segurança pública para revelar o ‘modus operandi’ dos criminosos que reproduzem uma prática comum durante a década de 1930. O bando de Lampião aterrorizou o interior da região Nordeste com saques e ataques-surpresa marcados pela brutalidade.

Apesar do registro do uso de armas do Exército Brasileiro , o armamento dos criminosos envolvidos no ‘ novo cangaço ’ é contrabandeado de fora do Brasil. Pistolas, fuzis e submetralhadoras trazidas do Paraguai são as favoritas dos envolvidos.

De acordo com o advogado Bruno Langeani, gerente de projetos do Instituto Sou da Paz, o maior fornecedor internacional das facções criminosas está nos Estados Unidos. O armamento é importado desmontado para o Paraguai, e em seguida ultrapassa a fronteira para o Brasil com traficantes. 

Também é normal que armas e munições sejam enviadas de avião diretamente dos Estados Unidos para o Brasil . Apesar de também ser uma hipótese, a entrada por portos não é comum.

Você viu?

Poder bélico do ‘novo cangaço’ chama atenção
Reprodução
Poder bélico do ‘novo cangaço’ chama atenção

Policiais corruptos e funcionários de empresas de armamento também são apontados como responsáveis pelo fornecimento. Ouvido pelo G1, o professor de sociologia da Universidade Federal de São Carlos, Gabriel de Santis Feltran, afirma que a maior apreensão de fuzis da história do Brasil foi feita em redes de policiais corruptos .

O poder bélico do ‘ novo cangaço ’ chama atenção. O assalto realizado no ano passado em Criciúma (SC) contou até com lança-foguetes , armamento antitanque utilizado em guerras. O grupo formado por 30 criminosos fugiu com cerca de R$ 80 milhões.

Além do armamento militar, a organização do maior assalto da história de Santa Catarina contou com veículos de luxo blindados, caminhões e até dinheiro jogado na rua de propósito. Segundo a polícia local, cerca de R$ 800 mil foram recolhidos por moradores nas ruas.

A polícia alega que o assalto de Criciúma foi planejado durante meses. Reféns alegam que, pelo sotaque, os criminosos não pareciam ser de Santa Catarina. Entre os 14 suspeitos que foram presos, a maioria era de São Paulo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários