Imagens da câmera de segurança mostram menino já desacordado
REPRODUÇÃO/POLÍCIA FEDERAL
Imagens da câmera de segurança mostram menino já desacordado

O laudo da reprodução simulada da morte de Henry Borel aponta que ele já estava morto havia pelo menos uma hora quando saiu do apartamento onde morava com a mãe, Monique Medeiros, e com o padrasto e vereador, Dr. Jairinho (ex-Solidariedade). A  reconstituição foi realizada no último dia 1 e os peritos chegaram a essa conclusão analisando as imagens do elevador, que mostram o casal saindo para levar o menino ao hospital às 4h09 do dia 8 de março. As informações são da Folha de S. Paulo .

O jornal conseguiu acesso a uma foto do vídeo das câmeras de segurança do elevador, que mostra a criança de pijamas, enrolada em uma manta no colo de Monique, com os olhos revirados . O vereador Jairo Souza Santos Júnior também aparece nas imagens ao lado da mãe do menino, segurando uma bolsa nas mãos. De acordo com a Folha , o momento é, tecnicamente, chamado de "evolução da cronotanatognose", que indicou o tempo transcorrido desde a morte, observando indícios como cor da pele, cor dos lábios e rigidez do corpo.

Segundo o laudo, Henry sofreu 23 lesões produzidas por ação violenta entre as 23h30 e as 3h30 daquela noite. Escoriações, hematomas em diversas partes do corpo, infiltrações hemorrágicas em três regiões da cabeça, laceração no fígado e contusões no rim e no pulmão à direita estão entre as lesões.

O exame de necropsia já havia apontado hemorragia interna e laceração hepática causadas por "ação contundente" como as causas da morte de Henry. O novo documento diz que as marcas no corpo da vítima sugerem várias "ações contundentes e diversos graus de energia, sendo que as lesões intra-abdominais foram de alta energia". As hemorragias nas três regiões da cabeça do menino, por exemplo, teriam ocorrido em momentos distintos.

Dado isso, os peritos descartam a possibilidade de queda justificada pelo casal em seu  depoimento à polícia. "Uma queda de altura não produziria tais lesões [sangramentos na cabeça]. A quantidade de lesões externas não pode ser proveniente de uma queda livre", diz o novo laudo.

Monique e Jairinho estão presos temporariamente, por 30 dias, desde a última quinta-feira (8), sob suspeita de homicídio duplamente qualificado (emprego de tortura e impossibilidade de defesa da vítima) . Eles estão fazendo quarentena isolados de outros detentos devido à possibilidade de contaminação pela Covid-19 e diante do risco de serem agredidos.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários