Marcelo Queiroga, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para o Ministério da Saúde
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Marcelo Queiroga, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para o Ministério da Saúde



Na primeira reunião com chefes de Poderes e governadores após tomar posse, o ministro da Saúde Marcelo Queiroga , ao lado do presidente Jair Bolsonaro, adotará o discurso de aproximação com a comunidade científica. O encontro ocorre na manhã desta quarta-feira no Palácio da Alvorada. Ao GLOBO, o ministro disse que quer “ampliar o Diálogo com a Comunidade Científica e a participação nas decisões do Ministério da Saúde.”

Bolsonaro é criticado por diversas vezes ter adotado um discurso que coloca em dúvida a ciência. O presidente já questionou a eficácia da vacina e, frequentemente, faz a defesa de uso de medicamentos contra a covid sem eficácia comprovada. O chefe do Executivo também minimizou diversas vezes a Covid-19 e provocou aglomerações sem utilizar equipamentos de proteção.

O ministro disse ainda que na reunião se comprometerá em “fortalecer o Sistema Único de Saúde ( SUS ) em parceria com as Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde” e em reforçar a campanha de vacinação contra a covid-19. O ex-ministro da Saúde general Eduardo Pazuello participa do encontro.

Com o agravamento da crise sanitária , Bolsonaro tem sido orientado por integrantes do Congresso e por membros do governo a deixar a defesa de medicamentos fora de seus discursos e focar apenas na imunização em massa. A troca do comando do Ministério da Saúde também foi construída neste contexto em que o governo tenta diminuir o desgaste causado pela condução do enfrentamento à pandemia. Na quarta-feira, o Brasil bateu o recorde com 3.158 mortes em 24 horas, totalizando 298.843 vidas perdidas.

A reunião começou a ser articulada na semana passada. Além dos chefes de Poderes, foram  convidados governadores de seis estados (a maioria deles alinhados com o Planalto), o procurador-geral da República, Augusto Aras, e o vice-presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), Bruno Dantas. Todos os ministros do governo federal foram convocados para participar.

Você viu?

De acordo a Secretaria de Comunicação Especial (Secom) da Presidência, "o objetivo do encontro é fortalecer o ambiente de união nacional para prevenção e combate ao vírus da Covid-19, além de ser um espaço para discussão de ações institucionais conjuntas".

Foram convidados governadores de cinco regiões: Romeu Zema (Minas Gerais), Ronaldo Caiado (Goiás), Renan Filho (Alagoas), Wilson Lima (Amazonas), Marcos Rocha (Rondônia), e Ratinho Jr. (Paraná). Com exceção de Renan Filho, todos os outros costumam se alinhar com Bolsonaro. O governador de Alagoas, contudo, também não costuma fazer embates públicos com o presidente, ao contrário da maioria dos governantes do Nordeste.

Na semana passada, Fux anunciou, durante uma sessão do STF, que foi convidado por Bolsonaro para integrar um comitê para debater o combate à pandemia e questionou aos colegas se eles concordavam com a participação dele no comitê. Os integrantes da Corte responderam que era fundamental a participação de Fux, como representante do Judiciário, mas desde que ele não avalizasse nenhuma política pública que depois possa ser questionada por ação no STF.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários