Bolsonaro abandonou entrevista nesta quarta-feira (24) ao ser perguntado sobre investigações a seu filho Flávio Bolsonaro do caso Queiroz
Reprodução
Bolsonaro abandonou entrevista nesta quarta-feira (24) ao ser perguntado sobre investigações a seu filho Flávio Bolsonaro do caso Queiroz

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido)  encerrou uma entrevista coletiva nesta quarta-feira em Rio Branco, Acre, ao ser questionado por um repórter sobre o caso do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e como "rachadinhas". Nesta terça-feira, os mistros da Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) votaram a favor de um pedido da defesa de Flávio para anular a quebra de sigilo fiscal e bancário do filho do presidente no caso que envolve o ex-avaliador Fabrício Queiroz .

Antes que a pergunta fosse concluída, o Bolsonaro interrompeu o jornalista, anunciou o encerramento da coletiva e imediatamente se retirou do palanque. “Presidente, qual a avaliação que o senhor fez da decisão do STJ ontem de derrubar a quebra dos sigilos fiscais ...", perguntou o jornalista. “Acabou a entrevista”, respondeu o presidente.

Esta não é a primeira vez que Jair Bolsonaro se irrita, ataca jornalistas ou interrompe descobrir quando questionado sobre o processo na Justiça envolvendo o filho e o ex-assessor. O caso ganhou destaque no fim de 2018, quando o Coaf apontou “movimentação atípica” de R $ 1,2 milhão, em 2016 e 2017, nas contas de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio. Oito assessores do ex-deputado estadual transferiram recursos a Queiroz em datas próximas ao pagamento de servidores da Alerj. Segundo o Coaf, Flávio 24 depósitos no valor de R $ 2 mil. Flávio nega como acusações.

Relembre outros cinco momentos em que Bolsonaro se irritou ao ser perguntado sobre o caso Queiroz:

Flávio Bolsonaro e Queiroz; Flávio é investigado por caso de
Reprodução
Flávio Bolsonaro e Queiroz; Flávio é investigado por caso de "rachadinhas na Alerj



“Você é um otário”, agosto de 2020

Durante o envio de religação de um alto-forno na siderúrgica Usiminas, em Ipatinga, no interior de Minas Gerais, Bolsonaro foi questionado pelo GLOBO sobre os motivos que levaram Michelle a receber depósitos de Queiroz e Márcia, o recusou a responder e atacou o jornalista.

- Você é um otário, rapaz. Otário.

Bolsonaro, no mesmo evento, uma pergunta semelhante de um repórter do jornal “Folha de S. Paulo”, sobre os 25 depósitos feitos por Fabrício Queiroz à primeira-dama, sem valor total de R $ 89 mil, e rapidamente cortou o repórter

Com todo o respeito, não tem uma pergunta decente para fazer? Pelo amor de Deus.

Você viu?

“Vontade de encher a tua boca na porrada”, agosto de 2020

Apenas três dias antes do fato anterior, Jair Bolsonaro afirmou um repórter do GLOBO que estava com vontade de “encher a boca” dele de porrada ao ser perguntado sobre os depósitos. O presidente estava em frente à Catedral Metropolitana de Brasília quando foi questionado sobre o fato, e completou afirmando que o repórter era “safado”.

- Estou com vontade de encher a tua boca na porrada, tá? - disse Bolsonaro.

O ataque do presidente motivou a publicação de uma nota da Associação Nacional de Jornais (ANJ), que condenou o ataque verbal de Bolsonaro ao repórter. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e a Associação Brasileira de Imprensa (ABI) também se manifestaram.

“É lamentável que mais uma vez o presidente reaja de forma agressiva e destemperada a uma pergunta de jornalista. Essa atitude em nada contribui com o ambiente democrático e de liberdade de imprensa publicado pela Constituição ”, disse a ANJ.

“Não tenho que conversar com vocês”, janeiro de 2020

Em uma entrevista sobre ser favorável ou não à concessão de subsídio para a conta de luz de templos religiosos, Jair Bolsonaro também encerrou a conversa quando foi indagado sobre Queiroz. Representantes da imprensa perguntaram se o presidente teria orientado o ex-assessor de Flávio a faltar um depoimento marcado no Ministério Público do Rio de Janeiro.

O fato foi revelado pela ÉPOCA, que teve acesso ao livro “Tormenta - o governo Bolsonaro: crises, intrigas e segredos”, da jornalista Thaís Oyama. A publicação não oficial dos questionamentos, mas antes de encerrar a entrevista o presidente afirmou que o conteúdo do era “mentiroso”.

- O livro é fake news, um livro mentiroso, não vou responder sobre o livro. Tem uma colega de vocês que fez um livro que leu meu pensamento. Acho que não tenho que conversar com vocês, é só escrever o que você achar - disse Bolsonaro, sem responder se havia orientado Queiroz.

*Por Filipe Vidon, Agência O Globo


    Leia tudo sobre:

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários