O ponto facultativo também foi cancelado em diversas regiões do país
shutterstock
O ponto facultativo também foi cancelado em diversas regiões do país











As comemorações, festividades e blocos de rua estão suspensos nos próximos dias, fazendo com que o  Carnaval seja cancelado pela primeira vez na história do país. A medida foi adotada por mais de 20 estados brasileiros com o objetivo de conter o avanço da pandemia de Covid-19 e evitar a circulação de pessoas neste período.

Os prejuízos dessa suspensão vão do âmbito econômico ao cultural. As escolas de samba , por exemplo, tiveram seus tradicionais desfiles nos sambódromos cancelados e vêm sofrendo com as dificuldades do distanciamento social desde o início da pandemia. Muitas delas cessaram os ensaios presenciais e tiveram que encontrar alternativas para continuar em operação. 

O ritmista Lucas Eduardo, de 25 anos, desfila há 14 anos pela Rosas de Ouro,  escola de samba de São Paulo , e conta que, em um ano comum, os ensaios geralmente começam entre o final de abril e começo de março, mas que, devido à pandemia, as atividades presenciais foram suspensas em 2020 e continuam assim até hoje. "É um trabalho que depende da aglomeração para fazer acontecer, precisa das pessoas. Essa mudança foi algo inédito nas nossas vidas", diz.


Com a explosão das lives nas redes sociais na metade do ano passado, a escola de samba decidiu fazer duas transmissões ao vivo com os integrantes reunidos. Mais tarde, com a flexibilização da quarentena no estado de São Paulo, Lucas conta que eles chegaram a fazer um ensaio presencial, respeitando as normas de segurança propostas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), mas optaram por não continuar, pelo receio de contaminação.

Você viu?

Por outro lado, na Imperatriz da Paulicéia, outra escola de samba de São Paulo , os ensaios ocorreram de forma remota. "Estamos ensaiando pela plataforma Zoom até hoje, independente de ter Carnaval em julho ou não", conta Rafaella Rocha Azevedo, de 32 anos, que é a primeira mulher a ocupar o cargo de mestre de bateria no Carnaval paulistano, assumindo a posição em 2019. 

Outra realidade

"É um cenário bem diferente do que a gente está acostumado a viver. Acho que o que eu mais sinto é saudade das pessoas, do som, da batucada… Mesmo que eu pratique em casa, falta o som da massa, da galera", afirma Lucas.

A mestre da Imperatriz da Paulicéia destaca a mudança na rotina. "Agora que não tem Carnaval, eu não sei nem em que mês a gente está, porque eu vivi muito tempo em função dessa data", acrescenta Rafaella, que participa do meio há 13 anos. "Para mim é muito difícil, mas acredito que todo mundo precisa se reinventar, não ficar parado e esperar as coisas acontecerem. Não é legal contar com a sorte, ela é a última das opções, o trabalho tem que ser a primeira", completa.






Apesar dos ensaios terem sido cancelados na Rosas de Ouro, Lucas também procurou alternativas para retomar os trabalhos. O músico aproveitou a pandemia para dar continuidade ao seu projeto pessoal, o Duetto Repinique. Por meio da iniciativa, Lucas e seu colega, Hebert Bruno, fazem oficinas de música e workshops ao redor do mundo, e adaptaram a ideia ao período atual. "A gente tem passagem pela França, Suíça, Itália, Alemanha, Portugal… A gente faz tour todo ano. Como esse ano não teve, migramos para o âmbito online", conta. 

Geração de empregos

O historiador Bruno Baronetti explica que, do ponto de vista cultural, é a suspensão da festa mais importante do Brasil, no entanto, ele também chama a atenção para o setor econômico. "O impacto é muito grande, já que o Carnaval movimenta bilhões de reais hoje em dia", afirma.

Além da ausência da comemoração, o cancelamento do Carnaval este ano também impacta na geração de empregos e na renda de milhares de brasileiros. Segundo estimativas da Confederação Nacional do Comércio (CNC), em todo o Brasil, a suspensão da data comemorativa pode deixar um buraco de mais de R$ 8 bilhões na economia, com cerca de 70 mil empregos deixando de ser gerados no país.

"Esse cenário é muito difícil, porque eu mesmo dependo do Carnaval para poder alavancar o meu trabalho", diz Lucas, que participa ativamente da data desde os 13 anos de idade. 





Embora o contexto atual seja preocupante, o ritmista se mostra esperançoso em relação ao próximo ano. "Não é só o samba, não é só o Carnaval, a gente aprende a conviver com outras pessoas, a amar o pavilhão… E isso a gente leva para a vida. Por enquanto, temos que esperar acabar essa turbulência, e tenho certeza que quando tudo voltar vai ser lindo", conclui.


*Estagiária supervisionada pela equipe de Último Segundo

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários