Enterros em Manaus aumentaram mais de 80% em relacão a dezembro
Twitter/Reprodução
Enterros em Manaus aumentaram mais de 80% em relacão a dezembro

O número de enterros realizados em Manaus nos cinco primeiros dias de janeiro disparou 84% na comparação com o mesmo período de dezembro. Os dados foram compilados pelo globo com base em relatórios divulgados pela Prefeitura de Manaus. Segundo autoridades locais, a cidade vive uma segunda onda da pandemia do novo coronavírus (Sars-Cov-2).

De acordo com o levantamento feito pelo GLOBO, entre os dias 1º e 5 de dezembro de 2020, foram realizados 197 sepultamentos em cemitérios de Manaus, o que corresponde a uma média diária de 39,4.

Nos cinco primeiros dias de janeiro, foram registrados 363 enterros , o que dá uma média de 72,6 sepultamentos por dia. O crescimento é de 84,2% . No dia cinco de janeiro, ainda segundo a Prefeitura de Manaus, foram registrados 91 enterros.

Esse número ainda é menor do que o pico registrado durante a chamada primeira onda da Covid-19 em Manaus. Uma das cidades mais afetadas pela epidemia, Manaus chegou a registrar 140 sepultamentos em apenas um dia no final de abril.

Mesmo assim, o crescimento no número de enterros na cidade vem causando preocupações junto às autoridades locais. Na terça-feira, o recém-empossado prefeito de Manaus, David Almeida ( Avante ), anunciou a abertura, em caráter emergencial, de seis mil covas novas em cemitérios da capital.

Na segunda-feira, Almeida também decretou estado de emergência por 180 dias em decorrência do aumento no número de casos de Covid-19 na cidade. O decreto permite que a Prefeitura faça contratações emergenciais de produtos e serviços para atender à demanda gerada pela epidemia.

Além do aumento no número de enterros, Manaus vem sofrendo com o crescimento acelerado nas taxas de internações tanto na rede pública quanto privada por conta do aumento no número de casos de Covid-19.

Segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Fundação de Vigilância em Saúde (FVS) do Amazonas na terça-feira, o número de internações vem crescendo aceleradamente desde a segunda quinzena de dezembro.

No dia 4 de dezembro, foi registrado um recorde no número de internações por Covid-19 no estado: 183. O maior número até então havia sido registrado em maio de 2020.

Outro dado que preocupa as autoridades locais é a taxa de ocupação de leitos disponíveis para a Covid-19. Segundo o boletim epidemiológico, 88% dos leitos de UTI para Covid-19 nas redes pública e privada estão ocupados. Na rede privada, a ocupação dos leitos chega a 98%.

 Na terça-feira (5), o secretário de Saúde do Amazonas, Marcellus Campêlo, anunciou a suspensão das cirurgias eletivas para abrir espaço nos hospitais públicos para pacientes com Covid-19.

Além disso, o governo federal iria entregar nesta quarta-feira (6) uma carga de 78 respiradores para equiparem novos leitos de UTI que deverão ser abertos nos próximos dias.

Segundo ele, o estado espera um novo pico de casos e internações causados pela Covid-19 entre os dias 13 e 15 de janeiro.

Também na segunda-feira (4), o governo do estado atendeu a uma determinação da Justiça e decretou a suspensão de atividades não-essenciais como forma de frear o avanço da doença.

Durante o auge da epidemia no primeiro semestre, imagens de enterros coletivos e dezenas de covas abertas em Manaus chocaram o Brasil e o mundo.

O sistema de saúde local chegou próximo do colapso , com hospitais lotados e obrigou as autoridades a contratarem contêineres frigoríficos para acomodar os corpos de mortos pela epidemia.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários