Bruno Covas%2C prefeito de São Paulo
Governo do Estado de São Paulo
Bruno Covas, prefeito de São Paulo

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), pediu ao governador João Doria (PSDB) que a capital paulista avance à fase verde do Plano SP já na próxima semana. O pedido faz com que a regra do governo determinada para a retomada das atividades econômicas em meio à pandemia da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2), precise ser alterada ou que seja aberta uma exceção. A informação é da CNN Brasil . Nos últimoas dias  Covas também tem falado sobre o adiamento de festas como o Carnaval e o Réveillon.

Hoje, as diretrizes do Plano SP exigem que a permanência na fase amarela seja de quatro semanas consecutivas, o que significa que, caso haja uma regressão para a fase laranja, esse tempo é zerado. Caso o pedido de Covas seja aceito por Doria, a cidade de São Paulo deve passar de fase na próxima sexta-feira (24).

Entre os demais critérios de passagem para a fase verde está o quesito de ocupação de leitos. Da amarela, onde São Paulo se encontra hoje, para a verde, é preciso ter uma taxa abaixo de 60% de ocupação.

Quadro de flexibilização do Plano SP
Divulgação/Governo do Estado de São Paulo
Quadro de flexibilização do Plano SP

Para a Prefeitura, no entanto, esse percentual impõe uma taxa de ociosidade de leitos muito grande que impede o tratamento de outras doenças. Na situação atual, com a cidade na fase amarela, ela precisa manter 541 leitos vagos.

Dede que a pandemia começou, o município já chegou a ter 350 solicitações de internação por dia. Hoje esse número fica me torno de 40.

Nos bastidores, a Prefeitura também tenta alterar as regras para abertura de bares e restaurantes. Para o prefeito, o ideal seria que os locais abrissem seis horas por dia sem limitação de horário determinada por Doria.   

Outro ponto de divergência entre os tucanos envolve teatros e cinemas. Doria já anunciou a reabertura para esses dois serviços, mas Covas ainda acha que não é hora de reabrir.

Sobre as escolas, Doria defende que as privadas possam reabrir antes. Covas discorda e diz que a rede privada só abrirá junto com a pública.

    Veja Também

      Mostrar mais