Agência Brasil

Cerca de R$ 5,8 bilhões em bens foram bloqueados.
Agência Brasil
Cerca de R$ 5,8 bilhões em bens foram bloqueados.

Controladoria-Geral da União (CGU) e a  Polícia Federal  (PF) deflagraram hoje (2) a Operação Old School , com a finalidade de desarticular esquema de fraudes em licitações e desvio de recursos destinados à área da educação no município baiano de Jequié.

A ação conta com a participação de oito auditores da CGU e de 709 policiais federais, que cumprem 17 mandados de busca e apreensão e seis medidas cautelares em Jequié e em Salvador. Entre as medidas cautelares estão as de afastar investigados da função pública que ocupam; a proibição de contratações com o poder público; e o bloqueio de R$ 5,8 milhões em bens e valores de suspeitos.

Segundo a CGU, foram utilizados na reforma de escolas em Jequié recursos de precatórios do Fundef (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério), que deveriam ser empregados na valorização do ensino fundamental por meio de ações de estruturação e manutenção da política educacional do município.

Você viu?

Desvios

“O que se constatou foram escolas em situações precárias, apesar dos valores gastos com reformas. Esses desvios são extremamente prejudiciais aos alunos e professores, que ficam privados de um ambiente de ensino em condições apropriadas”, informou, por meio de nota, a CGU.

A investigação teve como ponto de partida denúncias feitas por vereadores locais, após terem verificado divergências entre os dados registrados nos boletins de medição e a situação de algumas escolas. O valor contratado para as obras foi de cerca de R$ 8,8 milhões.

A CGU e Polícia Federal fizeram inspeções em algumas das 82 escolas de Jequié, onde as reformas deveriam ter sido executadas. “Os órgãos encontraram diversas irregularidades nas obras, sendo constatada a inexecução de parte dos serviços, além da baixa qualidade dos itens realizados”, acrescentou a CGU.

Além disso, foi identificado que a empresa vencedora da licitação terceirizou a execução das obras sem a devida anuência do município.

O subcontrato favoreceu empresa que é de uma “funcionária comissionada da prefeitura, com cadastro no Programa Bolsa Família”. Segundo a CGU, esse contrato firmado entre as duas empresas foi de aproximadamente R$ 2,3 milhões. Estimativas divulgadas pela CGU apontam um superfaturamento superior a R$ 728 mil.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários