Testes rápidos para a Covid-19
Foto: Bruno Concha/Fotos Públicas
Pesquisa testou 1.183 pessoas em 15 regiões diferentes da cidade, por sorteio


Um estudo da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) indicou que a população negra da capital paulista  é 2,5 vezes mais infectada pelo novo coronavírus do que a população branca. É o que indicam amostra de sangues que foram colhidas pelos pesquisadores entre 15 e 24 de junho.


Além de traçar perfis sobre a situação epidemiológica na capital do Estado de São Paulo, esse estudo chegou a afirmar que cerca de 91,6 % dos casos de Covid-19 não entram na contabilização oficial.

Exames sorológicos foram aplicados em 1.183 pessoas em 115 regiões da capital. Em cada região, 12 municípios eram sorteados para que os moradores realizassem a testagem. Destes, 19,7 % das pessoas negras já criaram anticorpos contra Covid-19 , enquanto o mesmo só pode ser afirmado a 7,9 % das pessoas brancas.

O estudo, que é apoiado pelo Instituto Semeia e conta com participação de profissionais do Laboratório Fleury e Ibope Inteligência, também fez separação das regiões com base em renda. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) foram utilizados para fazer o mapeamento das áreas ricas e pobres.

Além disso, foi constatado pela equipe que pessoas que cursaram ensino superior se infectam 4,5 menos que pessoas que não finalizaram o ensino fundamental. A taxa de infecção é de 22,9 % para quem completou o ensino superior e 5,1 % para os que não completaram o ensino fundamental.

O estudo avalia também maior taxa de contágio em pessoas que compartilham a residência com cinco ou mais, com 15,8% maior índice; diferente de pessoas que vivem com uma a duas pessoas a mais, cuja taxa cai para 8,1 %

    Veja Também

      Mostrar mais