Maria Joana, 45, ao lado de sua mãe, Lavínia Batista Mota Flávio, 76, que se recuperou da Covid-19
Arquivo pessoal
Maria Joana, 45, ao lado de sua mãe, Lavínia Batista Mota Flávio, 76, que se recuperou da Covid-19


Uma mulher de 76 anos que reside no município de Jundiaí, em São Paulo, venceu a Covid-19 . Lavínia Batista Mota Flávio tem hipertensão e diabética, o que faz dela uma paciente que pertence ao grupo de risco, portanto mais vulnerável ao novo coronavírus .

Leia também: Brasileira de 95 anos costurou luvas na 2ª guerra e hoje tece máscaras

A mulher chegou a apresentar sintomas como dor no corpo, tosse e febre, além da perda do paladar e olfato que ocasionaram a diminuição de apetite.

Sua primeira ida ao hospital foi na metade do mês de abril. Foi diagnosticada por pneumonia, mas o tratamento deu resultado. A paciente precisou buscar atendimento novamente cinco dias depois. Dessa vez, ela passou dez dias internada.

Ao Jornal Agora, a filha de Lavínia, Maria Joana, 45, afirmou que o diagnóstico de Covid-19 veio durante a internação. “Ela estava totalmente fraca, quase sem condições de andar. Eu a levei quase arrastando para o hospital”, relata a mulher.

Você viu?

Leia também: Médico do Amazonas relata reinfecção pelo novo coronavírus

“Logo no primeiro dia já me deram um documento para assinar autorizando o uso da cloroquina . Assinei e ela ficou no isolamento, sem precisar ir para a UTI”, continuou.

Passados os dez dias, Lavínia teve alta do hospital, mas continuou internada em sua própria casa. Ela continuou fazendo uso de oxigênio,que deve ser interrompido em breve. Médicos visitam a paciente a cada duas semanas e a consideram estável.

Leia também: Na Paraíba, homem de 106 anos vence Covid-19 e é liberado de hospital

Maria Joana afirma que a mãe pode ter se infectado por meio de membros da família que moram com ela e mantém a rotina de trabalho fora de casa. Além da filha, moram com Lavínia o genro e três netos. Eles chegaram a apresentar sintomas de gripe, mas não foram testados para diagnosticar a Covid-19 .

No entanto, Maria Joana afirma que a mão não sai de casa e as compras estão sendo feitas pelos outros moradores. “A gente precisa sair, precisa colocar comida na casa. Sempre tomamos os cuidados necessários mas aconteceu”, explica.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários