Mãe confessou matar o filho, mas disse que morte foi acidental
Polícia Civil do Rio Grande Sul/Divulgação
Mãe confessou matar o filho, mas disse que morte foi acidental


 O laudo realizado pelo Posto Médico-Legal de Carazinho concluiu que Rafael Winques, de 11 anos, morreu por asfixia mecânica por estrangulamento. A informação é do Instituto Geral de Perícias. O caso aconteceu em Planalto, na Região Norte do estado. Alexandra Dougokenski, mãe da criança, confessou o crime na segunda-feira. Mas, na ocasião, ela alegou ter dado remédios para o filho se acalmar.

A chefe da Polícia Civil, delegada Nadine Anflor, disse em entrevista à Rádio Gaúcha que a mãe apontou onde o corpo foi abandonado após confessar o crime. Segundo a delegada, será apurada a eventual participação de outras pessoas no crime. "Não se descarta a participação de outras pessoas. Isso não quer dizer que nós temos outros suspeitos, mas não se descarta em nenhum momento essa possibilidade", concluiu.

Leia também: São Paulo anunciará novas regras de isolamento: "quarentena inteligente"

Rafael desapareceu 15 de maio, quando foi dormir e, na manhã seguinte, não estava mais em casa. Alexandra vivia com Rafael e seu outro filho, um adolescente de 16 anos. A mulher chegou a dar entrevistas para uma emissora de TV pedindo para que o filho voltasse para casa. 

Alexandra foi presa temporariamente e já está no sistema penitenciário. A Polícia Civil pode pedir a prisão preventiva dela.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários