Presidente Jair Bolsonaro determinou uso de cloroquina no país via decreto
Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Presidente Jair Bolsonaro determinou uso de cloroquina no país via decreto

Pouco depois de o Ministério da Saúde divulgar novo protocolo para tratamento de pacientes com Covid-19 , autorizando a prescrição da cloroquina e hidroxicloroquina em todos os estágios da doença, o presidente Jair Bolsonaro, defensor da mudança, foi às redes sociais no início da tarde desta quarta-feira dizer que "ainda não existe comprovação científica" que embase a medida, mas que os medicamentos estão sendo usados e monitorados no Brasil e no mundo. Ele justificou a decisão afirmando que "estamos em guerra".

Leia mais: Manifestantes pedem "Fora Bolsonaro" no Planalto e geram tumulto com governistas

"O Ministério da Saúde divulga orientações para tratamento da Covid-19, onde a Cloroquina pode ser ministrada em casos leves, com recomendação médica e autorização do próprio paciente/família. - Ainda não existe comprovação científica, mas sendo monitorada e usada no Brasil e no mundo. Contudo, estamos em Guerra : 'Pior do que ser derrotado é a vergonha de não ter lutado'. Deus abençoe o nosso Brasil", escreveu Bolsonaro, que compartilhou o link para o modelo do termo de ciência e consentimento do uso da hidroxicloroquina/cloroquina em associação com a azitromicina para o tratamento da Covid-19.

Até então, o ministério só havia autorizado para pacientes em estado grave. Agora, a cloroquina também pode ser indicada para pacientes apenas com sintomas leves de contaminação. O uso do medicamento ficará sob a responsabilidade do médico e precisa ter a concordância do paciente.

"Apesar de serem medicações utilizadas em diversos protocolos e de possuírem atividade in vitro demonstrada contra o coronavírus, ainda não há meta-análises de ensaios clínicos multicêntricos, controlados, cegos e randomizados que comprovem o beneficio inequívoco dessas medicações para o tratamento da Covid-19. Assim, fica a critério do médico a prescrição, sendo necessária também a vontade declarada do paciente, conforme modelo anexo", diz o texto divulgado pela pasta.

O protocolo diz ainda que o "uso das medicações está condicionado à avaliação médica, com realização de anamnese, exame físico e exames complementares, em Unidade de Saúde".

Doria recusa protocolo

Governadores têm se mostrado contra a medida determinada via decreto pelo presidente Jair Bolsonaro . O líder do executivo paulista, João Doria, anunciou que não vai receitar cloroquina "por decreto" para os pacientes.

Leia também: Doria promete afrouxamento da quarentena em SP a partir de junho

“Quero dizer que não se prescreve receita por decreto. São Paulo não vai aceitar que, por decreto, se estabeleça receituário médico. Nenhuma parte do mundo se trata saúde por decreto ou medida de ordem política”, disse em entrevista à imprensa no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista.

Leia algumas das orientações do protocolo:

1. Apesar de serem medicações utilizadas em diversos protocolos e de possuírem atividade in vitro demonstrada contra o coronavírus, ainda não há meta-análises de ensaios clinicos multicêntricos, controlados, cegos e randomizados que comprovem o beneficio inequívoco dessas medicações para o tratamento da Covid-19. Assim, fica a critério do médico a prescrição, sendo necessária também a vontade declarada do paciente, conforme modelo anexo.

2. O uso das medicações está condicionado à avaliação médica, com realização de anamnese, exame físico e exames complementares, em Unidade de Saúde.

Você viu?

3. Os critérios clínicos para início do tratamento em qualquer fase da doença não excluem a necessidade de confirmação laboratorial e radiológica.

4. Contra-indicações absolutas ao uso da hidroxicloroquina: gravidez, retinopatia/maculopatia secundária ao uso do fármaco já diagnosticada, hipersensibilidade ao fármaco, miastenia grave.

5. Não há necessidade de ajuste da dose de hidroxicloroquina para insuficiência renal (somente se a taxa de filtração glomerular for menor que 15) ou insuficiência hepática. O risco de retinopatia é menor com o uso da hidroxicloroquina.

6. Não coadministrar hidroxicloroquina com amiodarona e flecainida.

7. Há interação moderada da hidroxicloroquina com: digoxina (monitorar), ivabradina e propafenona, etexilato de dabigatrana (reduzir dose de 220 mg para 110 mg), edoxabana (reduzir dose de 60 mg para 30 mg). Há interação leve com verapamil (diminuir dose) e ranolazina.

8. Em crianças, dar sempres prioridade ao uso de hidroxicloroquina pelo risco de toxicidade da cloroquina.

9. Cloroquina deve ser usada com precaução em portadores de doenças cardíacas, hepáticas ou renais, hematoporfiria e doenças mentais.

10. Cloroquina deve ser evitada em associação com: clorpromazina, clindamicina, estreptomicina, gentamicina, heparina, indometacina, tiroxina, isoniazida e digitálicos.

11. Para pacientes adultos hospitalizados e com sinais de gravidade considerar anticoagulação e pulso de corticóide.

12. Para pacientes adultos com sinais e sintomas moderados, considerar anticoagulação profilática se a oximetria estiver abaixo de 95% ou na presença de qualquer sinal respiratório (tosse, dispnéia etc.) na ausência de oximetria.

13. Para pacientes hospitalizados, observar e iniciar tratamento precoce para pneumonia nosocomial, conforme protocolo da Comissão de Controle de Infecções Hospitalares (CCIH) local.

14. Nos pacientes com deficiência ou presunção de deficiência de vitamina D, considerar a prescrição

15. Investigar e tratar anemia.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários