O Hospital Israelita Albert Einstein , em São Paulo, cortou em 25% o salário e a jornada de trabalho de 33% de seus 15 mil colaboradores. A medida se deu, segundo apuração da Folha , devido a queda de 45% na receita da franquia. 

Leia também: Covid-19: Mortes em São Paulo chegam a 2.511 e casos passam de 30 mil

Enfermeiro declarou à Folha que medida pegou funcionários de surpresa
Divulgação
Enfermeiro declarou à Folha que medida pegou funcionários de surpresa

No Sírio-Libanês , com 8.300 funcionários, também houve redução de jornada de trabalho e de salários, remanejamento entre áreas e realocação de funções, segundo informou o hospital em nota, sem detalhar as medidas.

Leia também: Laboratório diz ter descoberto anticorpo contra Covid-19 e vê ações subirem 170%

De acordo com Sidney Klajner, presidente do Einstein, ao mesmo tempo em que houve queda dos procedimentos de alta complexidade o hospital investiu muito para a demanda de Covid-19 , que ainda não aconteceu no setor privado.

Um enfermeiro que prefere não ser identificado diz que todos os profissionais foram pegos de surpresa com o corte de salário. Ele ganha R$ 5.783 mensais.

Leia também: Em feriado emendado, isolamento social cai no Rio

“Ficamos sem opção. Ou concordávamos com a redução ou seríamos dispensados. Tenho despesas fixas, boletos, financiamento habitacional. Está muito complicado lidar com isso tudo. Com medo do contágio e agora medo das dificuldades que vêm pela frente. Jamais passou minha cabeça passar por isso”, disse ele ao veículo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários