enfermeira com equipamentos de proteção em frente a leito vazio
Fabiano Rocha / Agência O Globo
Governador do Amapá decretou lockdown e afirma que sistema de saúde do estado está em colaps


Após aumento no número de mortes e de casos de Covid-19, todos os municípios do estado do Amapá entrarão em lockdown . Decisão foi anunciada hoje pelo governador Waldez Góes (PDT) e deve valer entre os dias 19 e 29 de maio. Quem desrespeitar decreto terá multa de R$ 5 mil.

Estados como o Maranhão e o Pará chegaram a decretar lockdown antes, mas em regiões específicas. Portanto, o Amapá é o primeiro estado a paralisar totalmente a circulação da população.

Leia também: Em live, Bolsonaro volta a criticar lockdown: “não dá certo”

A cidade com maior número de infectados é a capital, Macapá, que contará com barreiras sanitárias para impedir circulação de população. Além disso, testagens serão feitas em vizinhos de pessoas infectadas por Covid-19 , doença transmitida pelo novo coronavírus.

Serviços como bancos, mercados e farmácias continuam funcionando, já que são serviços essenciais. Nada foi dito em relação ao sistema de entregadores delivery e ao transporte público.

Número de casos aumentou

Na última quinta-feira, 14, os números do Amapá se elevaram de maneira preocupante. O estado tem 2.428 pessoas infectadas pela Covid-19 e 101 mortos. Em 20 de abril, esse número era de 1.080 casos e 34 óbitos. Dados oficiais apontam que os casos aumentaram em 217%.

Leia também: Lockdown em São Paulo está sendo avaliado, diz comitê do Covid-19

Cinco mil testes estão sendo analisados. De acordo com a estimativa do estado, sete entre dez amostras são positivas para novo coronavírus .

Segundo Góes, o que tem causado esse aumento é o número de pessoas que continuam em circulação “sem necessidade”. Ele afirmou ainda que o sistema de saúde local está colapsado. Com o lockdown , ele espera que estado não chegue a 350 óbitos em duas semanas, mas a estimativa é de que o número de casos seja quatro vezes maior.

O sistema de saúde do Amapá sofre com falta de leitos, medicamentos, equipamentos, maquinário e médicos. O estado abriu edital com 115 vagas. Quatorze pessoas foram chamadas, mas apenas duas apareceram.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários