Médico Édison Regio de Moraes sentado em cama de hospital
Reprodução
O ex-vereador e médico Édison Regio de Moraes deixa o hospital após 35 dias de internação

"Eu me internei achando que era uma gripezinha. Febre baixa, tosse e falta de ar. Mas não é uma gripezinha, é muito sério. Não imaginava que fosse voltar", diz o Dr. Édison Regio de Moraes Souza, que teve alta neste sábado (18), após 35 dias de internação no CTI do Hospital Quinta D'Or, em São Cristóvão, por causa do  novo coronavírus  (Sars-CoV-2).

Ainda temeroso pela fácil contaminação do vírus, o médico não deu um forte abraço no filho e nos famíliares que tiveram de acompanhá-lo de longe durante o período. Em mais de um mês num cama de hospital, permitiram a Édison duas rápidas visitas do filho Eduardo no CTI.

"As visitas são muito restritas, mas sabemos que faz bem ver alguém da família. Deixaram ele entrar duas vezes, o vi de longe. Mas foi o suficiente para dar uma injeção de ânimo, mudou tudo, me deu uma força muito grande", afirma o médico, que está tomando medicação para depressão.

Leia também: Datafolha: 79% dos brasileiros defendem punição por violação de quarentena

O ex-vereador do Rio e professor da Uerj conta que vinha acompanhando a literatura médica desde que a pandemia chegou ao Brasil, mas, aos primeiros sintomas, pensou que estava com uma pneumonia leve. Só quando viu o exame de imagem dos seus pulmões teve a dimensão da gravidade do seu caso.

"Quando vi, fale: 'Estou morto!'. Os dois pulmões estavam completamente inflamados. Meu médico pessoal (Emmanuel Salgueiro), quando teve acesso, mandou me internar na hora – lembra o nefrologista.

Menos de 24 horas após o resultado dos exames, Édison foi levado para o CTI e entubado via traqueostomia. Foram duas semanas inconsciente, até que acordou com o tubo que o ajudou a respirar. A voz ainda rouca por causa da incisão na traqueia conta o desespero da falta de ar constante.

Leia também: Covid-19: Mortes no Brasil chegam a 2,3 mil; casos confirmados são 36 mil

O médico diz ter implorado para ser "apagado" em alguns momentos por não conseguir respirar.

"Eu não senti dor, mas não conseguia respirar. Teve uma hora que minha respiração estava quase 100 respirações por minutos", recorda ele, que terá de fazer sessões de fonoaudiologia por causa da traqueostomia.

Muletas e cadeira de rodas

Com 65 anos, o médico estava no rol do grupo de risco. Além dos problemas decorrentes da Covid-19, como pneumonia e mau funcionamento dos rins que precisaram de diálise, o longo tempo imóvel lhe deixou com os membros inferiores fracos. Édison precisou da cadeira de rodas para deixar o hospital. E já alugou muletas para ajudá-lo na locomoção.

Ele espera que, em um mês, esteja totalmente recuperado após a fisioterapia. Porém, sabe que é um doença desconhecida e pouco se sabe sobre sequelas. No momento, ele não precisa tomar mais nenhum medicamento além do antidepressivo.

Leia também: Uso de máscaras será obrigatório em todos espaços públicos do Rio, diz Crivella

No hospital, os médicos não aderiram ao tratamento com cloroquina combinada com outros medicamentos. Ele considerou acertada a decisão da equipe.

"Está todo mundo no escuro ainda. Não se sabe ao certo se trata realmente o problema e tem muitos efeitos graves. Estou satisfeito com meus médicos por não usarem", diz.

Por enquanto, ele continuará de licença da Uerj, onde dá aulas no Hospital Pedro Ernesto. Não sabe quando poderá retornar às atividades. Por agora, quer descansar:

"Temos de seguir as recomendações das autoridades e especialistas. E tornar comuns hábitos de higiene como lavar as mãos sempre."

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários