A dependência extrema de insumos importados explica a precária situação do Brasil na testagem para o novo coronavírus. Mesmo só examinando doentes graves, mortos, profissionais de saúde — e com reconhecida subnotificação —, o país já é o 14º do mundo em casos e o que menos testa entre os 15 países mais atingidos.

Leia também: Espanha tem 600 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas

Covid-19
Agência Brasil
Teste para o Covid-19


O déficit de testes do Brasil em comparação a outros países é abissal. O país faz 296 testes por milhão de habitantes. O Irã, o segundo que menos testa entre os mais afetados, faz 2.755 por milhão. Os EUA, 7.101 por milhão. A Alemanha, um dos países com menor taxa de mortalidade, testou 1.317.887 pessoas — 15.730 por milhão.

Leia também: Rio de Janeiro tem transporte intermunicipal liberado pela Justiça

Os testes e os insumos são produzidos na China, Índia, EUA e países europeus. Acossados pela pandemia, todos usam o que produzem e, no caso da China, a maior produtora, exporta a quem paga mais e mais depressa.

— Todos os países do mundo querem a mesma coisa ao mesmo tempo —, disse ao “New York Times” Doris-Ann Williams, CEO da In Vitro Diagnostics Association, que representa grandes fabricantes e distribuidores de testes.

O professor de virologia da UFRJ Amilcar Tanuri, coordenador do Laboratório de Virologia Molecular da universidade, diz que o Brasil está sob a tempestade perfeita: sofre com falta de infraestrutura para produzir testes, é refém da importação em um mercado sob demanda extrema e pena com a falta de ação do governo federal para resolver o problema

— O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, fez tudo o que podia. Mas falta apoio e uma ação mais incisiva do governo — diz.

Pesquisadores veem uma ameaça à nossa soberania:

— Esse é o preço que pagamos por jamais termos investido em pesquisa e na indústria de biotecnologia. Agora, temos uma extrema dependência do exterior, uma ameaça gravíssima à nossa soberania — afirma Roger Chammas, da Rede USP para Diagnóstico da Covid-19 (Rudic).

Chammas, cujas pesquisas são apoiadas pela Fapesp, diz que a previsão é que a Rudic faça 1.500 testes moleculares diários. Hoje, faz 200 por dia. Não é por falta de capacidade técnica: é falta de insumos. A Rudic integra a plataforma de testes do governo do estado de São Paulo, coordenada pelo Instituto Butantã, que prevê realizar 8.000 testes por dia, mas está à espera da chegada de reagentes.

Todos à espera

No Rio, a situação não é diferente. O estado aguarda os testes rápidos que não foram entregues. E os laboratórios que fazem o exame molecular, como o da UFRJ, estão aquém da produção devido à falta de insumos.

Os testes rápidos de anticorpos chegam em número menor do que o esperado e ainda não têm validação. Dezessete testes moleculares e de anticorpos já receberam autorização da Anvisa, mas não há ainda a garantia de qualidade.

A Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica, a Câmara Brasileira de Diagnóstico Laboratorial, a Sociedade Brasileira de Análises Clínicas e a Sociedade Brasileira de Patologia Clínica e Medicina Laboratorial criaram uma força-tarefa para validar esses testes e esperam publicar os resultados até o fim do mês.

Leia também: "Vamos pagar o preço ali na frente", diz Mandetta sobre aumento na circulação

— Há testes de baixa qualidade, e mesmo os bons podem oferecer resultados negativos falsos, o que gera insegurança. Por isso, não podem ser aplicados por qualquer pessoa. Só os testes validados devem ser usados —, afirma Priscila Franklin Martins, diretora da Abramed.

    Veja Também

      Mostrar mais