comércio
Tânia Rêgo/Agência Brasil
Comércio de rua do Rio de Janeiro fechado durante período de isolamento social

Em novo boletim publicado nesta segunda-feira (6) o Ministério da Saúde apresentou uma estratégia diferente da postura até o momento. No documento, que passa a valer a partir da próxima segunda-feira (13), a pasta propõe uma redução no isolamento de cidades e estados com pelo menos metade dos leitos e estrutura de saúde vagos. 

Ainda segundo o boletim, a ideia é que as localidades com menos casos de Covid-19 passem de distanciamento social ampliado para o distanciamento social eletivo . Ou seja: em vez de um limite na mobilidade de todos os setores da sociedade, apenas os grupos de risco devem se manter isolados. 

Leia mais: Capitais registram panelaço e gritos de "fica, Mandetta" após suposta demissão

"É importante lembrar que alguns estados exigem uma estratégia diferenciada”, defendeu, em coletiva de imprensa, o secretário de Vigilância em Saúde Wanderson Oliveira. “As medidas são temporárias, localizadas e o governo federal está fazendo de tudo para que elas sejam minimizadas ao máximo possível", afirmou. 

A estratégia está parcialmente alinhada com o discurso defendido pelo presidente Jair Bolsonaro , que defende o chamado “isolamento vertical” com forma de manter o funcionamento dos serviços e rendimento da economia durante a crise. Apesar disso, a maioria dos governadores dos estados brasileiros, assim como entidades científicas e o próprio ministro da saúde, Luiz Henrique Mandetta, já discordaram publicamente do presidente. 


    Veja Também

      Mostrar mais