Temporal no último fim de semana deixou mortos e estragos na Zona Oeste do Rio de Janeiro
Pedro Teixeira / Agência O Globo
Temporal no último fim de semana deixou mortos e estragos na Zona Oeste do Rio de Janeiro

“Não perdemos a vida. Agora é ir ao mercado, comprar cloro, água sanitária e recomeçar do zero”, afirmou a empregada doméstica Cristiane de Oliveira da Conceição, 43 anos. Ela está entre as dezenas de moradores do Barata, sub-bairro de Realengo, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, que teve a casa inundada pelo  temporal que atingiu o município entre a noite de sábado (29) e a madrugada de domingo (1). Nesta segunda-feira (2), primeiro dia útil após a chuva, era dia de contar os prejuízos.

No momento da chuva, Cristiane, familiares e amigos faziam uma festinha na casa para assistirem ao desfile da Mocidade Independente de Padre Miguel, escola de coração da família, que desfilava no Sábado das Campeãs.

"Quando saí para ver a chuva, a água já estava entrando na nossa casa. Foi desesperador, pois havia crianças aqui. A enxurrada foi entrando pela casa e levando tudo. Subimos para o segundo andar e fomos recebendo os vizinhos. Durante a chuva, mais de 20 pessoas ficaram abrigadas aqui em casa", lembra a mulher aos prantos.

Cristiane diz que os pais de 64 e 63 anos, além de seu neto de 5 anos e um amigo de 4, estavam na residência.

"Perdemos tudo. Tudo mesmo. Só não perdemos a vida. Avisei aos meus patrões sobre o que aconteceu. Antes de voltar a trabalhar, tenho que reconstruir a minha vida".

Você viu?

Leia também: Rio segue em estágio de alerta após chuva deixar quatro mortos

Carros levados como papéis

Vários carros foram arrastados, como folhas de papel, para um rio que corta o bairro. Muitos deles ainda continuam dentro do canal.

O aposentado Jurandy Neves da Conceição, de 63 anos, conta que o carro que tem — um Palio 2008 comprado em 2015, no valor de R$ 10 mil — teve perda total. Sem seguro, o aposentado disse que não sabe o que vai fazer para pagar os estragos provocados pela chuva. Nesta manhã, seu Jurandy abriu o veículo para pegar os documentos que estavam dentro.

"O carro do vizinho veio boiando e ficou em cima do meu. Vimos tudo sem ter como fazer nada. O meu (veículo) não tem seguro, e não sei o que vou fazer. Uso para levar os meus netos para a escola e fazer as compras da casa".

Leia também: Número de mortos em naufrágio no Sul do Amapá passa para 13

Moradores falam que a causa da inundação foi uma represa feita por um condomínio que está em construção no bairro. A represa teria se rompido causando a tragédia.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários