Chuvas
Pedro Teixeira / Agência O Globo
Chuvas fortes causam estragos para moradores no bairro da Taquara em Jacarepaguá

A chuva da madrugada deste domingo (01) causou grandes estragos em Realengo , bairro da zona oeste do Rio de Janeiro. Alguns moradores perderam todos os móveis e eletrodomésticos de casa, e vários carros foram arrastados para dentro da galeria fluvial.

Leia também: Chuva deixa pelo menos dois mortos e dois feridos no Rio

Na rua João Francisco, no sub-bairro Barata, cerca de sete carros foram levados pela força da água para dentro de um córrego. Dois deles colidiram com uma casa, derrubando seu muro.

Na Rua Ocaibi, ao menos quatro carros foram parar debaixo de um canal. Um deles era visto por meio de um bueiro, em frente a um depósito de águas.

"Cheguei para ajudar o pessoal, pensando que tinha vítimas. Mas graças a Deus, não havia. Nem sabemos quem são os donos desses veículos", disse aliviado o pedreiro Ivair Trindade, de 49 anos.

Na mesma rua, uma casa de três andares desabou por volta das três horas da madrugada. Os moradores não estavam na residência. O cachorro da família, porém, foi soterrado.

Prejuízo incalculável

O luthier e baixista Márcio Paes, de 40 anos, perdeu todos os móveis e eletrodomésticos, além de ter tido seu carro inundado pela lama . Ele contou que passou a noite de sábado em um bar e voltou para casa por volta de uma hora da madrugada, porém não conseguiu entrar na rua, porque a água já estava na altura da cintura.

"Conseguimos entrar às 3h40 para tentar tirar a lama. Perdi meus equipamentos de trabalho e, agora, acredito que não vou mais conseguir vender meu carro, como estava tentando. Nunca vi nada semelhante por aqui", lembrou.

Leia também: Presidente do PT, Gleisi Hoffmann se envolve em confusão no Rio; assista

Denise Silva, de 52 anos, também teve um grande prejuízo — perdeu camas, armários e dois carros. Ela estava dormindo quando foi acordada pelo filho, que notou que a água da chuva estava entrando pelos ralos: "ficamos sentados na janela vendo tudo boiar. Apesar de tudo, ninguém se feriu".

Susto ainda maior foi o do militar Wilson da Silva, de 57 anos, que mora com a esposa, três filhos e uma nora. Ele acordou com o barulho da água entrando em casa e não conseguiu abrir as portas para deixar o local: "não conseguíamos sair. Arrancamos uma janela e nos abrigamos na casa de um vizinho. Eu perdi tudo! Menos a minha família".

O encarregado da Comlurb Johnny Pereira, de 33 anos, contou que sua equipe estava fazendo a limpeza do sambódromo quando foi deslocada para a região: "tiramos três caminhões, um total de 15 toneladas, apenas com pertences das vítimas da enchente, entre móveis e eletrodomésticos".

Volume recorde

Os bairros que registraram os maiores volumes de chuva entre o sábado e este domingo foram Bangu (164,4 mm), Alto da Boa Vista (154,4 mm), Anchieta (152,6 mm) e Tanque (102, 4 mm), segundo dados do Centro de Operações Rio (COR).

As medições foram realizadas entre as 18h de sábado e 11h de domingo. Segundo os dados do COR, Bangu registrou um volume de chuva equivalente a 141% da média de chuva para fevereiro (115 mm) e 125% da média de março (129,7 mm). Já no Tanque, choveu 127% do esperado para fevereiro e 96% do esperado para março.

Leia também: Após 13 dias, policiais militares do Ceará aceitam proposta e encerram motim

Já na medição dos maiores acumulados de chuva no período de uma hora os maiores volumes pluviométricos foram registrados nas estações Av. Brasil/ Mendanha (61,4 mm), Bangu (50,6 mm) e Anchieta (46,4 mm). Na estação de Bangu, em apenas uma hora, a chuva foi equivalente a 44% da média histórica do mês de março. Em Anchieta, choveu 37,1% da média de março.

    Veja Também

      Mostrar mais