Agência Brasil

pessoas ao redor de destroços
Divulgação/Corpo de Bombeiros de Minas Gerais
Bombeiros durante buscas de vítimas do rompimento da barragem da Mina Córrego do Feijão

A Justiça aceitou na sexta-feira (14) denúncia do Ministério Publico de Minas Gerais (MPMG) contra 16 pessoas envolvidas no rompimento da barragem da mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho, no ano passado. Com a decisão, os investigados passam à condição de réus no processo.

No mês passado, os promotores responsabilizaram criminalmente funcionários da mineradora Vale e da empresa Tüv Süd pela tragédia. De acordo com o MP, os denunciados devem responder na Justiça pelo crime de homicídio doloso, quando há intenção de matar, porque teriam responsabilidade na morte de 270 pessoas, que foram soterradas pela avalanche de rejeitos da represa em Brumadinho .

Leia também: Vale distribuirá a acionistas mais que dobro do gasto com indenizações

Desde a tragédia, o Corpo de Bombeiros permanece realizando buscas para encontrar os corpos. A barragem se rompeu em janeiro de 2019, resultando em mortes e na destruição de casas e equipamentos públicos na cidade, que fica próxima à capital mineira, Belo Horizonte.

Entre os réus estão o ex-presidente da Vale, Fabio Schvartsman, e mais dez funcionários da mineradora, além de cinco funcionários da Tüv Süd.

Defesa

Em nota, a defesa de Fabio Schvartsman lamentou o recebimento da denúncia e disse que as informações recebidas pelo ex-presidente da área técnica da empresa davam conta que as barragens estavam estáveis e em "perfeito estado de conservação".

Leia também: Bombeiros encontram crânio em área atingida pela lama em Brumadinho

"Depreende-se que o único motivo para a denúncia de Fabio Schvartsman foi o fato dele ser presidente da Vale por ocasião da tragédia", declarou a defesa.

A Tüv Süd declarou que "continua profundamente consternada" pela tragédia de Brumadinho e que as causas ainda não foram esclarecidas de forma conclusiva.

    Veja Também

      Mostrar mais