Turista
Reprodução/ Facebook
Turista lituano é assassinado e esposa forçada a amarrá-lo antes de ser estuprada


A 167ª DP (Paraty) trabalha com a hipótese de motivação sexual no caso do assassinato do turista lituano Adam Zindul, de 37 anos, na madrugada desta quinta-feira, na Praia do Sono. De acordo com o delegado Marcelo Russo, titular da distrital da Região da Costa Verde, apesar de o suspeito preso pelo crime ter levado dinheiro da carteira da vítima fatal, o roubo só aconteceu depois da esposa dele ter sido estuprada.

"Pra mim foi um crime de cunho sexual , que acabou desencadeando na morte da vítima. Apesar de o suspeito ter levado um bem material, esse não foi o objetivo primordial do crime", acredita o delegado.

Leia também:  Turista estrangeiro morre e namorada é estuprada, em Paraty

Russo conta que o homem invadiu a casa que Adam e a mulher, que é de São Paulo e tem 35 anos, alugaram e mandou ela amarrar o marido. Depois que ele a estuprou , ainda a golpeou com um pedaço de pau, fazendo com que ela ficasse desacordada.

"Ele estupra e depois pratica a morte. Tanto que a mulher não sabia até pouco tempo da morte dele", disse. "Ele deu duas ou três pauladas na cabeça dela, ela desacordou na cama e ele deve ter pensado que ela havia morrido e a abandonou".

Leia também:  Turista europeu é preso ao contratar adolescente de 13 anos para programa sexual

NOVE DIAS NO BRASIL


Depois do crime, o homem continuou pela região, que só tem acesso de barco ou por trilha. Ele, que é do Centro de Paraty e vivia de bicos no Sono, foi levado por PMs do 33º BPM (Angra dos Reis) para a distrital. Já a mulher foi socorrida no Hospital Municipal Hugo Miranda, que fica no Centro Histórico. Ainda não há informações sobre o estado de saúde dela.

O corpo de Adam foi encontrado amarrado a uma cadeira, com um pano cobrindo sua cabeça e uma peça de roupa em volta de seu pescoço, e com sinais de tortura. O último carimbo brasileiro no passaporte do lituano foi de 29 de janeiro.

Leia também:  Turista ucraniano é preso por furto e juíza pede intérprete 'da União Soviética'

"Vamos ouvir a mulher ainda no hospital, pois nosso objetivo é resolver esse crime o mais rápido possível. Estamos procedendo todo o protocolo investigativo, com a realização de perícia no local", o delegado acrescenta.

    Veja Também

      Mostrar mais