Motoby
Reprodução

Homem foi preso no início da semana

O sargento Rostan Honorato, do Bope, foi baleado durante operação no Caju, na Região Portuária, por volta de 1h do último dia 22. Às 18h da noite anterior, o motoboy Matheus Chamarelli, de 24 anos, saiu de casa, no mesmo bairro, para fazer entregas.

Leia também: Falha nas vagas do Sisu para pessoas com deficiência é encontrada pelo MP

Dados do aplicativo usado pelo motoboy mostram que sua última entrega foi finalizada às 23h21, em Copacabana. Às 23h40, ele deixou o bairro para voltar para casa. Segundo parentes, ele chegou por volta de meia-noite e não saiu mais. Na última segunda-feira, Matheus foi preso pela Delegacia de Homicídios pela morte do PM.

"Meu filho é inocente, nós estamos sendo perseguidos pelo Estado. Eu quero a verdade", diz a mãe do jovem, Ana Aurora Fernandes.

Nesta quarta-feira (29), o Núcleo de Defesa dos Direitos Humanos (Nudedh) da Defensoria Pública, que representa Matheus, entregou a agentes da DH a íntegra dos dados do aplicativo de entrega. Das 18h38 até as 23h21, Matheus percorreu cinco bairros das zonas Norte e Sul de moto e faturou R$ 110,63 antes de voltar ao Caju. A Defensoria solicitou que três parentes que estavam em casa quando o jovem chegou — a mãe de Matheus entre eles — sejam ouvidos pela DH.

Você viu?

As circunstâncias em que o motoboy foi reconhecido como o atirador são inusitadas. No dia seguinte ao crime, um PM do 4º BPM (São Cristóvão) foi até o local onde o jovem mora após receber uma denúncia de que havia um pitbull sem coleira e sem focinheira no local. O cão era de Matheus, que foi conduzido à 17ª DP (São Cristóvão). Acionado pelo batalhão local, um tenente do Bope que participou da ação foi à delegacia e reconheceu, por foto, o jovem como o atirador.

Parentes denunciam perseguição

Comprovante de entregas mostra que acusado estava trabalhando na noite da morte do sargento
Reprodução
Comprovante de entregas mostra que acusado estava trabalhando na noite da morte do sargento

Com base no depoimento do tenente, a DH pediu à Justiça a prisão temporária do jovem. Na noite de domingo, a 4ª Vara Criminal decretou a prisão, e Matheus foi detido em casa na manhã do dia seguinte. A Defensoria Pública espera que, com as novas provas, a delegacia peça à Justiça o relaxamento da prisão.

Para parentes do motoboy, a prisão é fruto de uma perseguição de PMs atualmente lotados no 4º BPM que integravam a UPP do Caju antes de sua extinção. Matheus já foi detido várias vezes por PMs da unidade e acusado de diversos crimes. O jovem foi absolvido das acusações. Num dos processos, a juíza Ana Helena Mota Lima Valle, da 29ª Vara Criminal, ao arquivar o caso, alegou que havia indícios de que o PM que prendeu Matheus “vem utilizando a função pública de forma não compatível com a instituição, havendo indícios de flagrante forjado”.

Já em setembro do ano passado, o desembargador Luiz Noronha Dantas, ao absolver Matheus da acusação do roubo de um carro, alegou que um PM da UPP induziu a vítima a reconhecer o jovem: “O reconhecimento padece de incontornável mácula por força de maliciosa indução”, escreveu o magistrado.

Leia também: Samu gasta R$ 15 mil para chegar ao local do resgate e descobre que era trote

O sargento Rostan Honorato foi baleado na noite do último dia 22. Gravemente ferido, o agente foi socorrido ao Hospital Central da PM, onde morreu no último sábado (25).

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários