WhatsApp é visto como 'mais confiável' do que algumas instituições do Brasil
Allan White/ Fotos Públicas
WhatsApp é visto como 'mais confiável' do que algumas instituições do Brasil

Um estudo divulgado na última segunda-feira (27), chamado 'A Cara da Democracia', apontou que a população brasileira tem maior confiança em grupos de família no WhatsApp e nas igrejas do que em instituições como o STF, o Congresso Nacional e os partidos políticos.

Leia também: Desvio de dinheiro e discriminação: Igreja Universal pode ser banida da Angola

O levantamento, divulgado pelo Valor Econômico, mostrou que as igrejas foram colocadas no grupo 'confia muito' por 32%  das pessoas ouvidas, ficando atrás apenas da Polícia Federal, que somou 33%, como a instituição mais confiável junto à população.

No Top 5 da pesquisa, ainda aparecem as Forças Armadas (29% de 'confia muito'), a Polícia Militar (20%) e os grupos de família no WhatsApp (15%). Na outra ponta, o Facebook e os partidos políticos foram os principais apontados no quesito 'não confia', com 54% e 71%, respectivamente.

Logo após a PF, aparecem no ranking de confiança dos brasileiros, as igrejas, as Forças Armadas e a Polícia Militar. Na sequência, por mais exótico que isso possa parecer, os grupos de família no WhatsApp. Fechando a fila estão o Congresso Nacional, o Facebook e os partidos políticos.

“Os dados demonstram a percepção da população de que o combate à corrupção é essencial para o crescimento do País”, avalia o presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), Luís Antônio Boudens. O trabalho correto de investigação que levou à prisão diversos “figurões” da República, independentemente de coloração partidária, segundo ele, colaborou para essa percepção.

Você viu?

“A PF se mostra uma instituição confiável porque não há fatos graves que desabonem a corporação. Ela se mostra eficiente, ainda que possa ser muito mais se investirmos na modernização de sua estrutura”, avalia.

Democracia e Golpe Militar

Ainda segundo o levantamento, o sentimento de apoio à Democracia cresceu de 2018 para 2019. O número de pessoas que disse ver o sistema como o 'preferível' a qualquer outra forma de governo subiu de 56% para 64%.

Outro ponto que apresentou melhora foi a percepção dos brasileiros sobre a Ditadura Militar. O número de pessoas que respondeu que um golpe não se justificaria ante casos de corrupção ou em cenário de muitos crimes subiu: de 41% para 55% e 46% para 56%, respectivamente.

Leia também: Policial deixa filho de castigo em garagem e criança morre de hipotermia

O estudo "A Cara da Democracia" é realizado pelo Instituto da Democracia e da Democratização da Comunicação e integra o Programa de Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia.  O Instituto é formado por grupos de pesquisas de quatro instituições principais: UFMG, IESP/UERJ, Unicamp e UnB. Participam ainda pesquisadores de outras cinco instituições nacionais (USP, UFPR, UFPE, Unama e IPEA) e duas estrangeiras (CES/UC e da UBA). No levantamento recente foram ouvidas 2.009 pessoas em 151 municípios entre 8 e 16 de novembro. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

*Com informações da assessoria da Fenafep

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários