Igreja Universal é alvo de dois processos na Angola arrow-options
Radio Angola
Igreja Universal é alvo de dois processos na Angola


Investigada por  desvio de dinheiro, discriminação  e práticas contra a integridade de religiosos angolanos, a Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) pode ser banida de  Angola . O diretor do Instituto Nacional para os Assuntos Religiosos (INAR), Francisco Castro, afirmou que é real a possibilidade de que a igreja feche as portas no país, caso as acusações sejam comprovadas.

A IURD vem sendo alvo de protestos na  Angola desde o final de novembro de 2019, quando um grupo de 300 bispos e pastores romperam com Edir Macedo , líder da Universal. Ao anunciarem a ruptura, eles denunciaram que a igreja estava praticando doutrinas contrárias à religião, como a exigência da vasectomia e da castração química.

A Procuradoria-Geral da República abriu um processo com base nessa denúncia e está investigando o caso. Existe ainda um segundo processo em andamento, esse para investigar outra acusação, feita pelo mesmo grupo, de que a IURD estaria enviando dinheiro ao exterior de maneira ilegal.

Leia também: Caso Flordelis: senador já sabia que esposa seria intimada por conta de celular

Relatos feitos por pastores à agência de notícias RFI indicam que eram realizadas caravanas para o Templo de Salomão , em São Paulo. Cerca de 300 pastores desembarcavam na capital paulista com quantias em dólar que eram recolhidas na sede da igreja.  

Possibilidade de expulsão

Caso as denúncias sejam comprovadas, a lei da Liberdade da Religião da Angola prevê suspensão, revogação do reconhecimento e extinção da seita. Ao se defender, a Igreja Universal diz que tudo se trata de uma “rede de mentiras arquitetadas por ex-pastores desvinculados da instituição por desvio moral, de condutas e até por práticas criminosas, com o único objetivo de terem a sua ganância saciada”.

Os processos estão em fase de instrução preparatória e sob segredo de justiça, ainda sem prazo para serem encaminhados para julgamento. De qualquer maneira, segundo Waldemar José , diretor do Ganiete de Comunicação institucional e Imprensa do Ministério do Interior, “há material o suficiente para se deflagrar um processo-crime por se tratar de crimes públicos”

    Veja Também

      Mostrar mais