IstoÉ

Marcola já foi condenado a mais de 330 anos de prisão
Reprodução/Wikipedia
Marcola já foi condenado a mais de 330 anos de prisão

Apontado como chefe de uma das maiores facções criminosas do País, Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola , estaria descontente com a comida da prisão. Marcola, assim como outros internos, reclamam da falta de variedade no cardápio da Penitenciária Federal de Brasília. As informações foram divulgadas pela coluna de Aline Ribeiro, da revista Época.

Leia mais: Reintegração de posse acontece em favela localizada dentro de área rica paulista

Há 10 meses na prisão federal , Marcola perdeu 15 kg desde que chegou à penitenciária. Ele e outros detentos reclamam do arroz e frango ensopado servido quase todos os dias, segundo apurou a coluna.

Camacho pareceu estar pálido após ser registrado em fotografias, as quais mostraram sua ida a um hospital na capital federal. O chefe da facção foi levado para a unidade de saúde sob forte esquema de segurança. O objetivo era realizar exames médicos, pedido feito pela sua defesa.

Você viu?

Marcola teria sido submetido a uma colonoscopia para averiguar uma infecção na região do intestino. A hipótese de um câncer teria sido rejeitada. Outros integrantes também teriam perdido peso, um deles é o irmão mais novo de Camacho, o qual teria perdido 20 kg.

Atualmente com 52 anos, Marcola estava na penitenciária de Porto Velho, em Rondônia. O líder da facção foi transferido para Brasília em março do último ano. Antes disso, ele estava na prisão de segurança máxima de Presidente Venceslau, no interior paulista, onde realizava um tratamento para úlcera.

Em Brasília, o detento recebe visitas semanais da família, sem contato físico. Marcola estaria conturbado com o isolamento no cárcere .

Leia também: Polícia captura 11 dos 75 fugitivos do PCC de prisão no Paraguai

O Departamento Penitenciário Nacional (Depen), não confirmou nem descartou a possível doença de Marcola. O órgão divulgou em nota que, segundo o Código de Ética Médica, “o sigilo de informações de saúde é simultaneamente direito do paciente e dever do profissional”.

Ainda de acordo com o Depen, a comida servida nas penitenciárias federais é fornecida com base em valores nutricionais essenciais para um homem médio. A alimentação dos presos é feita por empresas especializadas, que firmam contrato com as prisões federais. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários