Estação de Tratamento de Água de Guandu recebeu carvão ativado para tentar limpar água
Divulgação/Cedae
Estação de Tratamento de Água de Guandu recebeu carvão ativado para tentar limpar água

A Cedae anunciou que vai fazer obras de proteção da captação da Estação de Tratamento de Água do Guandu (ETA Guandu), em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. A medida foi anunciada 25 dias após as primeiras queixas de moradores do Rio de Janeiro e de seis cidades da Baixada Fluminense sobre a água que chega as suas casas com cheiro, sabor e odor diferentes do habitual.

Leia também: Funcionários relatam novo tremor em prédio no Centro do Rio; assista

Na conta oficial da estatal no Twitter, um comunicado informa ainda que o investimento será em cerca de R$ 90 milhões e as obras devem ser feitas em até 720 dias após a contratação da empresa.

"A atual gestão identificou a necessidade urgente da obra, não executada em gestões anteriores, para garantir a segurança operacional da captação da ETA Guandu e do Novo Guandu, em fase de projeto executivo. Avaliação realizada pelo corpo técnico da Companhia constatou que, caso a medida não seja adotada, a implantação do projeto Novo Guandu ficará comprometida, uma vez que a nova estação utilizará o mesmo ponto de captação", diz a nota da Ceadea na rede social.

Você viu?

Carvão ativado há seis dias

Desde a última quinta-feira, dia 23, a Cedae está pulverizando a água com carvão ativado visando a eliminar de vez o cheiro e o gosto na água causados pela presença da substância identificada como geosmina, que, há mais de tres semanas, vem causando impacto na vida dos moradores da Região Metropolitana do Rio.

O carvão ativado tem propriedades que o tornam capaz de reter tanto a geosmina quanto alguns outros compostos orgânicos que possam estar presentes na água do Guandu. Mas só os testes comprovarão a potabilidade desta água. Enquanto isso, os consumidores aguardam até que o uso do material comece a fazer efeito no líquido que sai de suas torneiras.

Em vistoria em Guandu, em Seropédica, na sexta-feira, químicos do Conselho Regional de Química (CRQ) constataram que a Cedae ainda não sabe qual a quantidade necessária de carvão ativado para neutralizar a presença da geosmina na água. Segundo o presidente do CRQ, Rafael Almada, os químicos da entidade flagraram os funcionários da Cedae ainda na fase de testes do produto. O resultado do primeiro teste com a água, após o uso do carvão ativado, sairá neste sábado.

Leia também: Rio construirá prisões verticais para detentos de baixa periculosidade

"A Cedae ainda está tentando descobrir a dosagem correta do carvão ativado. A gente precisa que a Cedae garanta para gente quando essa água tratada na Estação de Tratamento de Água já está saindo sem a geosmina. Por isso pedimos o resultados dessas análises. Se a gente perceber que os índices de geosmina estão caindo ou se ela desapareceu de vez, já será uma melhoria da crise que estamos vivenciando", disse Almada.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários