Profissional se confundiu quando deveria anexar contrato de seguro
Pixabay/Creative Commons
Profissional se confundiu quando deveria anexar contrato de seguro

Um advogado protocolou por engano um contrato sexual junto à Justiça de Cuiabá no caso de processo de indenização por danos morais. Segundo o jornal Folha de S. Paulo , o caso aconteceu no mês passado, mas só ganhou repercussão nas redes sociais nos últimos dias.

O profissional protocolou o documento no 4º Juizado Especial Cível de Cuiabá em uma ação contra uma seguradora que se recusou a reembolsar seu cliente após um roubo de celular. Inspirado na saga "50 Tons de Cinza", o texto diz que o contrato é firmado entre "o Dominador e a Submissa" e que ele também deveria ser chamado de "Sr. Grey", o nome do personagem principal do romance.

Leia também: Justiça Militar recebe denúncia contra sargento pego com cocaína em avião da FAB

"O propósito fundamental do presente contrato é permitir à submissa explorar de maneira segura sua sensualidade e seus limites, respeitando e considerando devidamente suas necessidades, seus limites e seu bem-estar", diz trecho do contrato anexado por engano.

Você viu?

Ainda de acordo com o documento protocolado, o advogado também ficaria responsável pelo "treinamento, orientação e disciplina" da cliente. "De acordo com os termos, limitações e procedimentos de segurança acordados, ela oferecerá sem questionar ou hesitar o prazer que ele solicitar e aceitará sem questionar o treinamento, a orientação e a disciplina do Dominador na forma que for", escreveu o advogado em outro trecho.

Leia também: Criança liga para 190 para denunciar pai esfaqueando mãe: "não é trote"; escute

Assinado em outubro de 2019, o contrato ainda determinava que a cliente sempre ficaria disponível a partir da noite das sextas-feiras até os domingos e que "o dominador pode açoitar, espancar, chicotear ou castigar fisicamente a Submissa como julgar apropriado, para fins de disciplina, para seu prazer pessoal, ou por qualquer outra razão, a qual não é obrigado a explicar".

Após o engano, o juiz Tiago Souza Nogueira de Abreu, responsável pela ação, comunicou o advogado do erro e deu 15 dias para que ele protocolasse o documento correto.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários