Tamanho do texto

Em 2019 foram registrados 208 casos de sumiços em várias regiões do país. Informações também são repassadas para parceiros do Disque Denúncia

Manifestação das Mães da Sé, que buscam por filhos desaparecidos, em São Paulo arrow-options
Reprodução/Facebook
Mães da Sé buscam por filhos desaparecidos em São Paulo

Um balanço feito pelo Disque Denúncia mostrou que em 2019 116 famílias reencontraram seus parentes que haviam sumido. O programa " Desaparecidos" do órgão cadastrou no ano passado 208 casos em várias regiões do país, e recebeu 314 denúncias sobre pessoas desaparecidas.

Leia também: Força-tarefa tenta solucionar doença misteriosa que já matou uma pessoa em Minas

Para obter informações que ajudem a encontrar essas pessoas, o programa utiliza cartazes com fotos e informações dos indivíduos, que são divulgados na imprensa e mídias sociais. Informações também são repassadas para parceiros do Disque Denúncia , como hospitais, abrigos e asilos. Todas os casos de sumiços são repassados às delegacias onde o registro de ocorrência foi feito.

"As famílias podem entrar em contato conosco, assim como ocorre de fazermos contato com elas por meio das postagens que elas fizeram em suas redes sociais. Explicamos como funciona o programa e começamos com o trabalho de divulgação", esclarece Zeca Borges, Coordenador geral do Disque Denúncia.

Dentre os casos solucionados , um de grande repercussão foi o caso do desparecimento de Anderson Paula Machado, de 37 anos. Morador de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense do Rio, Anderson estava desparecido há 5 anos. O serviço recebeu uma informação pelo WhatsApp do Programa Desaparecidos informando que Anderson vivia em situação de rua na cidade de Angra dos Reis. Três dias após o recebimento das informações, foi possível localizar a mãe do Anderson que, ao saber da atual situação do filho, foi até Angra, e conseguiu encontrá-lo internado no hospital Geral da Japuíba (HGJ).

Leia também: Conselho reduz de 21 para 18 anos idade mínima para mudança de sexo

Outro caso que teve um desfecho positivo foi de Francisco Xavier Rodrigues de Lima, de 31 anos, morador do bairro Caju, Zona Portuária do Rio. Ele foi encontrado em São Paulo, após uma assistente social, através da divulgação de nossos cartazes do Disque-Denúncia, identificar que Francisco Xavier era um dos pacientes da UPA Atalaia, na cidade de Cotia, em São Paulo.

"Meu amigo pediu ajuda e disse que um amigo dele havia desaparecido após embarcar em um Uber para o trabalho, em Botafogo, Zona Sul da cidade. Uma semana depois da divulgação do cartaz na imprensa me avisaram que ele foi encontrado em Cotia, desorientado. Eu não tinha nenhuma esperança e achava que, só por um milagre, ele seria encontrado vivo", desabafou Sílvia Ramos, do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Cândido Mendes.

O Programa Desaparecidos é parte das ações desenvolvidas pelo Disque-Denúncia do Rio de Janeiro na área de Direitos Humanos. Foi criado em parceria com o Ministério Público do Rio por meio dos programas PLID (Programa de Localização e Identificação de Desaparecidos), e (SINALID) Sistema Nacional de Localização e Identificação de Desaparecidos, para ajudar familiares e amigos em busca de uma pessoa desaparecida.

Leia também: Pelo fim do sistema criminal: entenda o que defendem os abolicionistas penais

O programa dos Desaparecidos também mantém parceria com a Delegacia de Descoberta de Paradeiro (DDPA), Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), e Delegacia de Homicídios Niterói, Itaboraí e São Gonçalo (DHNSG).

O telefone do Disque-denúncia é o 2253 – 1177