Manifestantes exibem faixas e cartazes
Fábio Vieira / FotoRua / Agência O Globo
Manifestantes exibem faixas e cartazes

A Polícia Militar de São Paulo deteve na noite da terça-feira (7) 29 manifestantes que participavam dos protestos contra aumento de passagens de ônibus, trem e metrô na Avenida Paulista.

O evento, iniciado por volta das 17h no Viaduto do Chá, percorreu ruas do centro da cidade até o Museu de Arte de São Paulo (Masp), onde se dispersou. Ao todo, 160 policiais acompanhavam a manifestação. Segundo a Secretaria de Segurança Pública do estado, todos os 29 manifestantes foram detidos após invadir e depredar a estação Trianon-Masp, localizada no bairro dos Jardins, área nobre da Zona Oeste da capital.

Leia também: MPL protesta contra o aumento da passagem de transporte em São Paulo

Um policial foi ferido por estilhaço de vidro e levado ao Hospital das Clínicas. Segundo a polícia, uma mochila com dez coquetéis molotov foi apreendida. Em nota divulgada nas redes sociais, o movimento Passe Livre São Paulo afirmou que a ação policial foi feita de forma violenta, com spray de pimenta, terror psicológico e agressão. Confira, abaixo, trecho do pronunciamento:

“Ao chegar na Estação Trianon-MASP, mandamos o recado: não vamos pagar tarifa pra voltar pra casa! Mas ao invés de reconheceram nossas pautas como legítimas, os governantes mandaram as forças policias fechar a estação e defender as catracas. Toda essa violência para impedir nosso direito de ir e vir e defender o lucro dos empresários. Mesmo assim, não recuamos. Fechamos a Avenida Paulista e conseguimos entrar na estação e pressionar lá de dentro! Mais uma vez, a polícia reprimiu com agressões, spray de pimenta e terror psicológico”, afirma.

O próximo protesto contra aumento de passagens em São Paulo está marcado para a próxima quinta-feira (9), com concentração às 17h na Praça da Sé, área central da cidade.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários