Casa de reza foi incendiada em comunidade indígena na cidade de Rio Brilhante, no Mato Grosso do Sul
Reprodução / Povo Guarani Kaiowá
Casa de reza foi incendiada em comunidade indígena na cidade de Rio Brilhante, no Mato Grosso do Sul


A comunidade Laranjeira Nhanderu , localizada em Rio Brilhante , no Mato Grosso do Sul , sofreu um ataque na madrugada do dia 1º de janeiro, e uma casa de reza , ainda em construção, foi incendiada e parcialmente destruída. Segundo relatos feitos ao Conselho Indígena Missionário (Cimi) pelos índios Guarani Kaiowá, moradores do local, o incêndio foi um ato criminoso praticado por pistoleiros.

A líder indígena Sonia Guajajara publicou em sua conta no Instagram um vídeo do momento em que a casa de reza estava em chamas. De acordo com ela, os índios ainda foram ameaçados e agredidos.

“Desde o dia 01/01/2020, estão sob ataque. Na madrugada do dia 01/01, atearam fogo na casa de reza que está sendo construída no local. Na noite do mesmo dia, dois pistoleiros entraram nas casas de algumas famílias, fazendo ameaças e agredindo os indígenas. Conforme relatos da comunidade, os agressores estavam armados. Assim, temem por novos ataques”, escreveu Guajajara.

Leia também: Discurso de Bolsonaro mostra que 2020 será ano ainda mais trágico para Amazônia

Você viu?

Hipótese refutada

A Polícia local trabalha com a possibilidade de o incêndio ter sido provocado por desavenças entre os próprios indígenas, tese que é absolutamente negada pelos Guarani Kaiowás.

“Estão dizendo que tem índio Guarani Kaiowá envolvido com a queima da Casa de Reza. É notícia falsa, denúncia errada. Ninguém sabe quem foi que colocou fogo. Vimos aqui foi capanga, que a gente chama de pistoleiro, não indígena. Isso machuca e revolta a gente porque vivemos todo dia o genocídio, a violência, o racismo e sempre procuram um jeito de dizer que isso é culpa da gente mesmo”, disse uma liderança indígena, que preferiu não se identificar, em entrevista ao Cimi.

Área de conflito

A comunidade de Laranjeira Nhanderu está localizada em uma área de disputa por terra. Sob posse dos Guarani Kaiwoá desde 2007, o local já foi sede da Fazenda Santo Antônio da Nova Esperança. Os indígenas chegaram a ser expulsos de lá em setembro de 2009 e só conseguiram reocupar a área em maio de 2011.

Leia também: Indiciamento de brigadistas de Alter do Chão se baseia em relatos de ruralistas

Depois de uma série de conflitos com o proprietário, a comunidade foi retomada em outubro de 2018. Seis meses depois, em abril de 2019, o  Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) suspendeu a decisão liminar da 2ª Vara Federal de Dourados que havia determinado a reintegração de posse da fazenda.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários