Tamanho do texto

Grupo responde por maus-tratos de animais em evento em uma chácara em Mairiporã que incentivava luta de cachorros da raça pitbull

Arena onde os cães lutavam arrow-options
Polícia Civil do Paraná/Divulgação
Lutas entre os cães eram realizadas em Mairiporã

A juíza Daniela Aoki de Andrade Maria, titular da 2ª Vara Judicial de Mairiporã , determinou nesta sexta-feira (20) a prisão preventiva de 22 envolvidos em uma rinha de cães descoberta pela Polícia Civil no final de semana. As lutas entre os animai eram realizadas em uma chácara na cidade.

Segundo a magistrada, os suspeitos não cumpriram a determinação de se apresentarem à Justiça durante a semana, o que foi considerado por ela como uma demonstração "de que não pretendem colaborar com a Justiça" e "frustar" a aplicação da lei.

Após uma audiência de custódia realizada na segunda-feira (16), 41 homens foram presos, mas só um deles continuou detido após ser acusado de ser o organizador do evento.

Leia também: Justiça manda soltar 40 dos 41 presos em 'rinha' de cães em SP

Os suspeitos respondem por maus tratos de animais, associação criminosa e jogos de azar. Durante as lutas, frequentadores faziam apostas em dinheiro para saber que cão sairia vencedor e qual perderia a disputa.

A investigação do caso começou a ser feita pela Polícia Civil do Paraná por suspeitas de que um criador e um treinador de pitbulls de Curitiba e São José dos Pinhais paricipavam do evento, mas acabou passando para a Polícia Civil de São Paulo.