João de Deus
Agência O Globo
Médium João de Deus também já foi acusado de posse de armas

A condenação de João Teixeira de Faria, o  João de Deus , pela primeira vez por crimes sexuais , na tarde desta quinta-feira (19), dá às vítimas a "sensação de Justiça sendo feita", disse a carioca Ana Paula, de 37 anos, uma das vítimas do médium. Ele foi condenado pela juíza Rosâgela Rodrigues, da comarca de Abadiânia, a 19 anos e quatro meses de prisão , por crimes sexuais cometidos contra quatro mulheres durante atendimentos espirituais na Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia .

"É uma sensação de Justiça sendo feita, estou com um sorriso que não sai do meu rosto. Ele seria o novo Chico Xavier, ele ia enganar o mundo inteiro. Então estou extretamente feliz. É a primeira condenação de muitas que virão", afirma Ana Paula.

De acordo com o relato da vítima, por meio da união das mulheres violentadas elas conseguiram "derrubar uma pessoa que era praticamente intocável". "É muito bom, de alguma maneira, poder acreditar que Justiça ainda existe no país. Há 13 anos que eu tento de alguma maneira prender João de Deus. O que ele fez comigo prescreveu, mas ele vai pagar pelo que fez a todas as mulheres, mesmo aquelas cujo crime prescreveu. Isso é maravilhoso. Isso é Justiça", completou.

Leia também: Professor de escola pública é preso por suspeita de estuprar oito alunas

Essa foi a primeira condenação de João de Deus por esse tipo de crime — ele está preso preventivamente há um ano, no Complexo Penitenciário de Aparecida de Goiânia, e também já foi condenado por posse ilegal de armas.

O médium foi denunciado 13 vezes pelo Ministério Público de Goiás, duas delas por posse ilegal de armas. As outras 11 envolvem 57 vítimas cujos crimes de abuso sexual não prescreveram.

    Veja Também

      Mostrar mais