Tamanho do texto

Entidades de defesa dos direitos dos indígenas afirmam que se trata de um índio da etnia guajajara, a mesma dos outros três assassinados na região

Indígenas guajajaras arrow-options
Pública
Indígenas guajajaras possuem conflito com madeireiros no Maranhão

Mais um indígena foi assassinado no Maranhão , o quarto em menos de um mês e meio. Tanto a Fundação Nacional do Índio (Funai) quanto a Polícia Civil do estado confirmaram nesta sexta-feira a morte do indígena, que ocorreu em Amarante (MA), próximo à terra indígena Arariboia.

Leia também: São Paulo tem mais pessoas morando na rua que população de 457 cidades paulistas

Entidades de defesa dos direitos dos indígenas afirmam que se trata de um índio da etnia guajajara, a mesma dos outros três assassinados na região. A Funai e a polícia ainda não confirmam essa informação.

Policiais civis estão na região onde houve o assassinato para fazer uma perícia. Ainda não há mais detalhes sobre as circunstâncias da morte. Uma segunda pessoa teria morrido, conforme informações de entidades não-governamentais.

Ataques a índios guajajara na área levaram a Funai a pedir ao ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, autorização para o envio de tropas da Força Nacional de Segurança Pública à região. O ministro autorizou o envio da força para a terra Cana Brava, por 90 dias, e não para a Arariboia, onde são mais comuns as ofensivas de madeireiros ilegais e os conflitos entre indígenas e não indígenas.

Leia também: Mourão minimiza uso do AI-5 no regime militar e nega o uso da palavra 'ditadura'

Segundo a assessoria de imprensa da Funai , ainda não há informações sobre a identidade, a etnia e as circunstâncias nas quais o índio foi morto. Fotos que circularam em grupos de WhatsApp mostram dois corpos em uma área de gramado com ferimentos compatíveis com golpes de facão. Ainda de acordo com a Funai, há confirmação de que apenas um dos mortos seja indígena.

A região onde a nova morte foi registrada é marcada pela tensão entre índios e madeireiros . O assassinato de indígenas nos últimos dois meses começaram em novembro, quando Paulo Paulino Guajajara foi morto a tiros enquanto caçava. Ele era integrante de um grupo de indígenas conhecido como “guardiões da floresta”, que tentava impedir a invasão de terras indígenas por madeireiros.

Leia também: “Fiz campanha para Bolsonaro e me arrependi”, diz hacker de Moro

No último sábado, outros dois indígenas da etnia guajajara foram mortos em um atentado no município de Jenipapo dos Vieiras (MA). Outros quatro índios ficaram feridos. Foi depois dessas mortes que Moro autorizou o envio da Força Nacional à região.