Tamanho do texto

Grupo será formado por membros da sociedade civil para que eles possam participar da apuração da ação policial que deixou 9 mortos em baile

Doria arrow-options
Governo do Estado de São Paulo/Divulgação
Civis poderão participar de apuração de ação policial que resultou na morte de nove pessoas em baile funk

O governador de São Paulo, João Doria , vai criar uma comissão externa formada por membros da socidade civil para participar da apuração da ação policial que deixou nove pessoas mortas durante o Baile da 17 , em Paraisópolis . Os mortos foram pisoteados depois que oficiais conduziram a multidão para vielas e disparou balas de borracha e usou gás lacrimogêneo nas pessoas. A proposta era uma reivindicação de familiares das vítimas e de organizações de direitos humanos.

A decisão de criar a comissão foi feita após uma reunião com parentes dos mortos e centenas de pessoas marcharem de Paraisópolis até o Palácio dos Bandeirantes, no Morumbi.

Leia também: 'É inaceitável a polícia usar força desproporcional e desnecessária', diz Doria

Até agora as versões sobre os acontecimentos na noite de baile ainda são contraditórias. Segundo a Polícia Militar, o tumulto começou após dois suspeitos em uma moto atirarem contra policiais e se esconderem na multidão do baile.

Os moradores, no entanto, dizem que a PM já chegou ao local atirando e teria provocado a tragédia ao tentar realizar uma dispersão truculenta no pancadão.

Leia também: Truculência policial, drogas e preconceito: saiba o que acontece no Baile da 17

Na segunda-feira (2), a gestão Doria decidiu afastar das ruas seis policiais militares que participaram da ação.