Tamanho do texto

Mineradora responsável por barragem que se rompeu em Mariana quer encerrar cadastramento até 15 de dezembro; justificativa é de fraudes

Vila atingida pelo rompimento da barragem da Samarco arrow-options
Antonio Cruz/ Agência Brasil
Tragédia em Mariana completou quatro anos

A Samarco , empresa responsável pela barragem que se rompeu em Mariana , em 2015, pediu na justiça que o cadastramento de atingidos pela tragédia seja encerrado até 15 de dezembro deste ano. A companhia alega que as fraudes têm aumentado.

O da Samarco foi feito no dia 6 de novembro, apenas um dia depois de se completarem quatro anos da tragédia . O rompimento da barragem de Fundão deixou 19 mortos e contaminou cerca de 700 km do Rio Doce, além dos inúmeros impactos para a população das vilas atingidas e dos arredores do rio.

Leia também: Samarco recebe autorização para retomar atividades em Mariana

Segundo a empresa, “é expressivo e crescente o número de solicitações de cadastro [...] que configuram fraude”. À Folha de S.Paulo , a Samarco não respondeu sobre números ou estimativas de fraudes. Segundo a Fundação Renova, criada para administrar as questões de reparação , 882.377 famílias já foram cadastradas.