Tamanho do texto

Durante coletiva em junho, Roberto Cláudio (PDT), afirmou que os órgãos públicos não possuem a responsabilidade de realizar a inspeção predial

Roberto Cláudio arrow-options
Divulgação
Segundo Roberto Cláudio, a fiscalização dos prédios não é responsabilidade dos órgãos públicos.

Durante uma entrevista coletiva dada em junho deste ano, o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), afirmou que os órgãos públicos não são responsáveis por realizar a fiscalização dos edíficios da capital cearense.

Leia também: Prédio que desabou em Fortaleza estava em reforma

Segundo o prefeito, a fiscalização das condições estruturais deve ser feita por entidades privadas. "É bom que se diga que a inspeção predial não é um ato da Prefeitura de Fortaleza, mas um ato privado", afirmou o gestor, que baseou sua fala na Lei de Inspeção Predial, que ainda não foi regulamentada.

Segundo Roberto Cláudio, os custos dos estudos prévios poderiam acarretar em um custo de até R$ 1 bilhão para a prefeitura da capital cearense. 

Além disso, o prefeito mencionou que Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis) realizou quase 23 mil visitas a prédios com o intuito de educar a população. Roberto Cláudio também atribuiu os desabamentos recentes à "clandestinidade" e a "ausência de responsabilidade" dos responsáveis pela fiscalização.

Leia também: Cachorro é resgatado dos escombros após prédio desabar em Fortaleza 

Desabamento

Prédio desabou arrow-options
WHATSAPP/REPRODUÇÃO
Prédio desabou por volta das 10h30 desta terça-feira (15).


Leia também: Bombeiros, PM e Samu trabalham nos escombros do prédio, diz governador do Ceará

Quatro meses após a declaração do prefeito, um prédio residencial de sete andares desabou em Fortaleza. Até o momento, dez pessoas foram resgatadas, sendo que nove delas foram encontradas com vida. Autoridades estimam que outras dez pessoas estão desaparecidas nos escombros.