Tamanho do texto

Após entrar na lanchonete de conhecidos brincando e fingindo que estava roubando local, funcionário público levou três tiros de policial à paisana

homem de óculos arrow-options
Arquivo pessoal
Homem foi morto por policial após fingir que estava assaltando lanchonete

Um homem foi morto por um policial à paisana dentro de uma lanchonete da cidade de Cosmópolis, no interior de São Paulo, após fingir que realizaria um assalto na noite do sábado (28).

Ronaldo Lopes de Lima, de 45 anos, entrou na lanchonete em que trabalhavam pessoas conhecidas e anunciou o assalto de brincadeira. Um policial militar à paisana que estava no local atingiu o homem, que morreu no local. Uma imitação de arma foi apreendida.

Em depoimento, o militar que disparou disse que estava de folga lanchando com parentes e que Ronaldo teria se dirigido a ele berrando o anúncio de assalto. Depois, ele ficou circulando pelo interior da lanchonete mantendo a brincadeira e pedindo dinheiro.

Leia também: Mulher que reclamou de violência em entrevista é presa por roubo 18 dias depois

O policial à paisana, que não teve a identidade revelada, afirmou que se levantou, anunciou que era policial e ordenou que o homem largasse a arma. Segundo o relato do militar, Ronaldo se virou e teria apontado um objeto contra ele.

Neste momento, o agente disparou três tiros contra a vítima . De acordo com o boletim de ocorrência, o policial só percebeu que "arma" era uma imitação quando retirou o objeto da vítima. 

Em depoimento à polícia , porém, uma testemunha disse que conhecia Ronaldo e que não percebeu qualquer revólver com a vítima quando ela entrou no local. Ela afirmou que Ronaldo só teria fingido portar uma arma e que era comum ele fazer sempre esse tipo de brincadeira.

Leia também: Vestido de gari, assaltante rouba bolsa de mulher no Rio de Janeiro; assista

A Polícia Civil apreendeu a arma do militar e instaurou inquérito para investigar o caso. O ocorrido foi registrado como homicídio simples e a Secretaria de Segurança Pública (SSP) vai instaurar Inquérito Policial Militar para apurar o caso.

Ronaldo atuava como auxiliar de serviços no Departamento de Água municipal da Prefeitura de Cosmópolis há oito anos. Em nota, a prefeitura lamentou a morte do funcionário público.