manifestantes
Reprodução/Twitter
Manifestação que pedia intervenção militar encerrou após ação da Polícia Militar.

Na Praça dos Três Poderes, em Brasília, nesta quarta-feira (25), o clima foi de tensão. Vestidos de verde e amarelo e com bandeiras do Brasil, manifestantes do Movimento Brasil Livre (MBL) e do Vem Pra Rua protestaram em favor da abertura da CPI da Lava-Toga e pela "moralização do STF", com apoio de cidadãos que pediam intervenção militar no País. Para dispersar o movimento, policiais militares interviram nesta tarde, com uso de bombas de efeito moral contra centenas de pessoas que se expressavam em frente ao STF. 

Leia mais: Menino de 12 anos é morto em SP após PM ameaçar: "Mãe, compra um caixão pequeno"

manifestação
Reprodução/Twitter
Polícia Militar lançou bombas de efeito moral. Cheiro do gás lacrimogêneo chegou no plenário do Supremo.

Tomates que foram atirados contra painéis representando ministros do STF e objetos para além do cordão de isolamento teriam sido o motivo das ações da PM.  De acordo com o jornal Estadão, era possível sentir o cheiro de gás lacrimogêneo utilizado pela polícia no edifício-sede do Supremo Tribunal Federal (STF) e um policial acabou ferido sem gravidade. 

Leia também: Não parou em Ágatha: criança de 11 anos é atingida por bala perdida no Rio

Seguranças fecharam às pressas as janelas do STF na tentativa de evitar que o ar contaminado pelo gás lacrimogêneo circulasse e diversos servidores e convidados que acompanhavam o plenário ficaram assustados. Bombeiros distribuíram máscaras para o público interno da Casa para evitar inalação. As portas do plenário estiveram fechadas durante a sessão, também para invadir que o gás chegasse no local onde os ministros da corte se encontravam. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários