Abdelmassih
Fernando Donasci / Agência O Globo
Abdelmassih passa por perícia após ser acusado de fraudar laudo

O ex-médico Roger Abdelmassih, condenado a 181 anos de prisão pelo estupro de 37 mulheres, foi submetido na manhã desta terça-feira (24) a um exame médico no Instituto de Medicina Social e de Criminologia (Imesc). Abdelmassih está detido no Hospital Penitenciário de São Paulo desde agosto, quando a Justiça de São Paulo revogou sua prisão domiciliar  após ele ser acusado de fraudar laudos para conseguir o direito de cumprir sua pena em casa.

A expectativa é de que o resultado da perícia seja entregue até esta sexta-feira. A decisão foi tomada após a publicação de um livro pelo detento Acir Filló. A obra citava uma trama para fraudar resultados clínicos na penitenciária para obter na Justiça o direito à prisão domiciliar. Filló afirmou que o médico Carlos Hasegawa, outro detendo em Tremembé, teria administrado remédios para aumentar a pressão arterial de Abdelmassih .

No pedido para que o estuprador voltasse ao regime fechado, o Ministério Público de São Paulo (MP-SP) pediu sua internação no Hospital Penitenciário por 30 dias, em ambiente
controlado, antes da realização de um novo laudo pericial, que foi feito nesta terça-feira.

Abdelmassih chegou ao local por volta das 7 horas, acompanhado de dois médicos. Segundo João Gandini, superintendente do Imesc, o exame foi realizado por um dos peritos mais
experientes e a expectativa é que o resultado seja entregue à Vara de Execução Penal até o final de semana.

"Agora cabe ao perito com base nos dados amealhados na conversa, nos exames, nos autos, em laudos anteriores, no prontuário médico e no histórico tomar uma decisão e emitir o
laudo", explica Gandini.

O resultado da perícia terá impacto não apenas na prisão de Abdelmassih como também em sua situação jurídica. Caso o perito comprove a fraude, ele voltará para a Penitenciária de Tremembé e também deverá responder por fraude processual.

Leia também: Saindo de boate, jovem é espancado por grupo em caso de homofobia

Roger Abdelmassih era um médico renomado na área de reprodução assistida mas, a partir de 2008, foi alvo de uma séire de acusações de abuso sexual . Dois anos depois, ele foi condenado a 278 anos de prisão. Em razão da prescrição de alguns crimes, a pena foi reduzida a 181 anos.

Abdelmassih , no entanto, só começou a cumprir sua pena em 2014, quando foi localizado em Assunção, no Paraguai.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários