homem
Reprodução/Facebook
Marcello Santanna, 23 anos, é ator e morador da Zona Leste de São Paulo

Marcello Santanna, 23 anos, afirma ter sido vítima de homofobia em um ônibus na Zona Leste de São Paulo na manhã de sábado (7). Em relato no Facebook, o ator fala que o motorista do veículo o agrediu pelo fato de estar acompanhado por outro homem.

Leia também: Contra a censura de Crivella na Bienal do Rio, famosos postam beijo gay

Segundo o relato, o nariz do ator estava sangrando e, por isso, o rapaz o ajudou e eles se beijaram. Marcello diz que em seguida o motorista parou o ônibus aos gritos e os expulsou da lotação. “Me recusei, disse que tinha pago e perguntou qual seria o motivo pra gente sair. Ele então, levantou e na mesma hora resolvi não criar uma discussão e me despedi desse rapaz e da minha prima”, escreve.

“Ao descer, levantei as mãos e disse 'tá tudo bem, eu vou embora', ele já veio nos socos, sem ao menos em nem ter tempo pra terminar de falar. O rapaz e minha prima desceram pra me socorrer, o motorista entrou na lotação e foi embora”, continua.

“Notícias assim precisam ser compartilhadas para mostrar o quanto a luta pela comunidade LGBT é necessária! Não pense que não existe homofobia, porque existe sim e aos muitos! Somos o país que mais mata LGBT e esse fato só me faz pensar em uma coisa: eu tô aqui vivo para contar, e quantos outros que não puderam ter a chance de contar?”, escreve.

Leia também: Crivella não desiste e recorre de decisão de Toffoli para apreender livros LGBT+

Ao G1 , o jovem diz que logo em seguida outro ônibus da mesma linha passou e o motorista o levou até a delegacia, onde foi orientado a buscar atendimento médico o mais rápido possível. Marcello foi atendido no Hospital Santa Marcelina e deverá fazer cirurgia nos próximos dias devido a fraturas no nariz.

“Já recorri aos meus direitos, porque como todo cidadão pago minhas coisas e tenho respaldo da lei. Homofobia é crime ! Não se omita, denuncie!”, conclui o relato.

A SPTrans, que administra o transporte público de São Paulo, afirma em nota que “encaminhou o caso à empresa que opera a linha para que identifique o motorista e tome as providências cabíveis em relação a seu funcionário”.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários