Tamanho do texto

Cabo estava afastado da Polícia Militar por problemas psiquiátricos

Policial matou a esposa com tiro na cabeça na frente do filho do casal por não aceitar divórcio. arrow-options
Facebook/Reprodução
Policial matou a esposa com tiro na cabeça na frente do filho do casal por não aceitar divórcio.

O cabo Walter José Gonçalves, da Polícia Militar do Estado de Goiás ( PMGO ) matou a esposa, a oficial de Justiça Elinda Varanda de Carvalho Sobrinho, com um tiro na cabeça na frente do filho do casal de apenas 3 anos,

O policial não aceitava o fim do casamento. Por volta das 21h de domingo (18), o cabo encontrou a mulher em uma lanchonete depois que ela saiu da igreja . Após concluir que não a convenceria a reatar o relacionamento, ele disparou na cabeça dela.

Lei também: Onda de feminicídios atinge Carnaval e renova urgência de lutas no Dia da Mulher 

A mulher foi socorrida, mas morreu em uma unidade de saúde . Segundo o delegado Ramon Queiroz, o policial militar havia sido afastado das ruas há um ano por causa de problemas psiquiátricos. 

Por causa do afastamento, o policial estava sem a arma da corporação, mas usou um revólver 38 para matar a oficial de Justiça. 

Leia também: Lei do feminicídio completa 4 anos, mas ainda enfrenta resistência no Brasil

Depois do crime, policiais militares negociaram por quase seis horas para que o cabo não se matasse. Ele foi preso em flagrante.