Tamanho do texto

Roberto Leonel chefiava a inteligência da Receita Federal em Curitiba e ganhou cargo de chefia no Coaf após Moro assumir ministério da Justiça

Roberto Leonel falando arrow-options
Facebook/Reprodução
Roberto Leonel

Mais uma série de mensagens vazadas pelo jornal The Intercept em parceria com a Folha de S.Paulo mostram conversas entre procuradores da Operação Lava-Jato e o então chefe de inteligência da Receita Federal em Curitiba, Roberto Leonel, que hoje é chefe do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

Nos diálogos, é possível  observar pedidos por informações e divulgação de dados sigilosos de algumas pessoas que não eram oficialmente investigadas pela Lava-Jato. 

Segundo os vazamentos, durante pelo menos três vezes procuradores como Deltan Dallagnol, Júlio Noronha e Athayde Ribeiro Costa dizem que vão consultar Leonel em dados referentes à vida ou  funcionários do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Leonel, boa noite. Se possível, tentar ver dps se os seguranças do LULA adquiriram geladeira e fogao da marca BRASTEMP no ano de 2014 que foram parar no apartamento”, disse Athayde em um grupo responsável pelas investigações do triplex no Guarujá.

Leia também: Deltan fez lobby com ministros do STF e de Bolsonaro para emplacar novo PGR 

Outras informações privilegiadas também foram compartilhadas por parte de Leonel. Entre elas, a de que a ex-esposa de Rodrigo Rocha Loures tinha declarado conta milionária na Suíça. Após ser repreendido por chefe, Leonel pede para Dallagnol que “delete o assunto por enquanto”. 

O programa de regularização de ativos foi discutido novamente em outra conversa. Nela, Dallagnol pergunta se Roberto pode consultar alguns nomes assegurando que “o Paulo não tenha acesso”. O pedido, porém, é inviabilizado por Leonel.